A Lunática

Minha foto
Belém, Pará, Brazil
Nutricionista. Canta por aí. Escreve sobre o que vë, ouve e imagina. Ela é aquariana, rapaz uma eterna colecionadoras de momentos e de pessoas. Inconstante e com uma personalidade gigante assim como o mar. A diferença é que ela vai, mas não volta.

quarta-feira, 25 de dezembro de 2013

Para 2013.

2013 revirou o universo de cabeça pra baixo. Realinhou os planetas e me deixou no meio de uma nebulosa sem entender nada do que tinha acontecido. No início dele, bem no começo, ouvi de alguém que 2012 teria sido o fim do mundo como a gente conhece e que essa seria a verdadeira profecia dos Maias. Se for assim, não poderia deixar de concordar mais: eu não existi esse ano como existi nos 20 outros anos que antecederam as mudanças bruscas desse. 

Me peguei perdido entre caminhos e escolhi alguns. Escolhi seguir naquilo que eu queria, ou acreditava, ou não sabia se seria o melhor pra mim, mas sempre botei cara, garra e coração na frente e deixei ser puxado. Coisas surgiram, e pessoas também. Coisas se desfizeram, e pessoas me desfizeram também. Como se algo me rasgasse, costurasse, suturasse e dissesse pra mim que ia ter que ser assim. Descobri que teve gente que passava e acabava comigo. Descobri que teve gente que me deu tchau de vez, e isso doeu tanto que eu ainda acredito num destino que se cruza. Descobri que teve gente que tinha tudo pra não ficar e ficou, ficou por mim quando nem eu mesmo teria ficado, ficou e me disse olá. E talvez tenha sido a minha grande conquista do ano, e você sabe bem de quem eu tô falando porque nesse exato momento surgiu um nome na sua cabeça.  

Nesse ano eu fechei um ciclo. E já dizia a astrologia que seria um ano 9 pra mim. Ano de rever conceitos e desalojar velhos vícios, e não é que foi bem assim? Tanta coisa posta pra fora, por vontade própria ou por força maior, que a minha visão panorâmica ficou embaçada e girou. Girou tanto que me mostrou novos horizontes, e eu tô aqui seguindo por ele. Tô aqui lutando pra ser feliz, mais um pouco que seja, comigo mesmo. Tô aqui fazendo resoluções, revendo o passado, agradecendo e pedindo pra esse ano acabar logo. Tô aqui barganhando minutos de vida desperdiçados, revendo fotos, não acreditando em coisas que disse ou fiz, me despedindo de gente que vai embora pra sempre. Tô aqui, recapitulando cada pedaço meu que foi riscado, transformado e se perdeu. Ou se encontrou. Me encontro no desencontro, me disse uma cartomante no comecinho de janeiro. 

Eu não acreditava tanto assim em profecias apocalípticas e coisas do tipo. Acreditava mais em astrologia, numerologia, runas, tarot e todo tipo de sorte que estivesse disponível pra brincar de prever o futuro. Mas depois de 2013, das incertezas e da imprevisibilidade que esse ano me trouxe, eu não consigo mais imaginar que consiga encaixar as coisas todas dessa vida pra um 2014 bem escrito. Meus planos traçados se formaram num desenho perfeito do que eu esperei até aqui. Daqui pra frente é só surpresa bem escolhida e, quem sabe, um novo recomeço caótico dia após dia. Afinal de contas, me encontro no desencontro. Mesmo que isso signifique reinventar o mundo mais uma vez, como 2013 reinventou o meu universo. 

E espero que você também tenha tido um ano caótico pra se revirar por inteiro. Parafraseando a famosa frase: vai que o avesso é o melhor lado?! E que venha 2014 pra gente!!!


Texto escrito por:


segunda-feira, 9 de dezembro de 2013

Felicidade É...



Um café e ele aparece, trás no beijo o bom dia pra um dia inteiro feliz. Receber sem aviso uma mensagem de que seu coração amanheceu com uma saudade enorme de nós relembra o porque de ter deixado ele entrar na minha vida. Descomplicado e distraído, trazendo nas mãos o sol e a vontade de mudar. Quando o vejo toda página que tanto já foi em branco é escrita pelo presente dos nossos dias e ele faz cada palavra valer a pena.

Nosso horário desconcertado e desprogramado permite conversas, sorrisos e beijos. Em pé, ao lado dele, sei que sou sua amiga, confidente, conselheira e sua namorada, a moça a qual ele faz questão de entrelaçar seus dedos e apresentar como sua mulher, nada me faz mais feliz. Ele tem ciúmes dos desconhecidos sobre os quais já escrevi, em meio as minhas desculpas pergunta quando vou escrever sobre ele. Desconverso na tentativa de não me comprometer com o passado.

O que me encanta nele? Sua fascinação por meus textos e suas perguntas frequentes sobre cada uma das postagens. Mentira. Isso também. Mas o que mais me fascina é como ele me vê. A forma que me lê. O jeito que me conquista a cada dia, simples gestos, quando tenta cantar a música do John Mayer e não consegue, quando sussurra a música É Cedo do Roupa Nova só porque adoro a voz do Pedro Mariano nessa canção.

Me encanta nele o silêncio com que me ouve e a sua sinceridade sobre suas relações passadas, sobre suas mágoas, nessa hora ele é o homem mais vulnerável de todos e ainda assim mais apaixonante. Sempre desejei um homem que fosse companheiro, parceiro, que além de ser meu amigo fosse amigo dos meus amigos (risos!), ele é tudo isso, a pessoa quem segura minha cintura e canta comigo em um show de uma banda qualquer. E mesmo não possuindo jeito pra dança arrisca uns passos abraçado comigo porque sabe o quanto amo dançar. Somando tudo ele ainda tem um lado engraçado, um humor que nada abala e um jeito único de me fazer sorrir.

Quando não nos falamos durante o dia, ele chega com seu interesse carinhoso perguntando como foi minhas atividades. Sorrio quando ele diz ter orgulho de mim e que acredita que eu ainda vou longe. Deito em seu colo pra ouvi-lo me chamar quando pego no sono, estar como ele me faz sentir segura como há alguns anos não me sentia. Ele apareceu no momento certo, quando eu precisava de uma relação séria, quando eu já havia decidido cuidar de alguém e me dedicar a alguém. Ele apareceu no momento em que eu me senti preparada pra fazer alguém feliz novamente. Em nome desse sentimento, do que temos vivido juntos e do que ele se tornou pra mim nesse pequeno espaço de tempo eu escrevo sobre ele. E dessa vez não é sobre o que vivi, mas sobre o que tenho vivido.

Juntos ontem, hoje e amanhã.


quinta-feira, 28 de novembro de 2013

Outra Vez



Me diz que fica? 
Pede as passagens, conta nos dedos as horas e os dias, se finge de descuidado, olha pro nada, calcula o tempo, imagina cenas. Ele é tão imprevisível, nunca deixa passos, vende sonhos dia após dia, quando vem, sabe como chegar, conta histórias, inventa o mundo e rabisca todo o futuro que não pode dá. Quando a estrada do dia seguinte chama estou lá pedindo carona outra vez pra sua vida. Me disfarço de incerta, abro um sorriso, penso em falar, mas ele pede silêncio e diz que se eu fechar os olhos e contar até três ele ainda estará parado na minha frente com todos os defeitos e as marcas de verão que adquiriu sem mim.
Mesmo com todos os erros, acertos e o amanhã que não me pertence gosto da nossa cumplicidade. É deitada ao seu lado que atenta ouço seus segredos e as histórias de amores passados, sem pressa, acho graça quando ele pisca pra mim e diz "eu não te conhecia". Distraída pelas horas quando penso que ainda tenho uma noite inteira em sua companhia, ele arruma os cabelos me beija na testa e diz se cuida - Se cuida só é dito pra quem queremos cuidar e não podemos. Dou um sorriso bobo porque sei que quando tenho algo importante pra falar, uma conquista pra contar ou uma lágrima pra esconder é pra ele que volto no tempo. Me pede que não seja especial pra mais ninguém, me pede fitando o horizonte que não fale do carinha que conheci e que me arrancou suspiros na noite passada. Conheço cada expressão no rosto dele, então sento no seu colo e sussurro que é por ele que sempre vou esperar. 
Tem dias que discute e me pede pra ir embora, sento na escada e ele permanece em pé na porta, digo que não volto, ele diz que posso ir. Quando desço o degrau seguinte ele me puxa pelo braço e ameaça cantar Roberto Carlos pro prédio inteiro ouvir. É aí quando me sinto mais feliz. É após nossas discussões que lembro o quanto sou apaixonada por ele. Não suportaria a dor de perdê-lo. Não há mais dedos para contar, é inadiável, ele sorri e eu entristeço. O imprevisível possui data pra abrir a porta, penso em seguir seus passos, mas que passos? Fico com o presente e as lembranças do passado. Ele sussurra a música Outra Vez usando Roberto Carlos covardemente na tentativa de me fazer sorrir também. Nós nos abraçamos e ficamos em silêncio. Eu me seguro em seus braços como se minha vida dependesse disso. 
- Me diz que fica ?
- Eu sempre vou voltar pra você. Se cuida. 



domingo, 3 de novembro de 2013

Sorria Sempre =D

A música de hoje foi escolhida por minha grande amiga Railene Gomes. E tem tudo haver com o texto. Simplesmente perfeito. Obrigada! :)



Sorria sempre. Mesmo que ensaiado, mesmo que forçado, mesmo por trás haja tanta tristeza. Sorria sempre, mesmo que a vontade seja de chorar, de largar tudo e sair correndo pra nenhum lugar. Sorria sempre, mesmo no nervosismo do arrependimento. Fique tranquilo, vá ver o pôr do sol e chore sorrindo. Vai ficar tudo bem, tudo em paz, agora parece não haver saída, isso tudo parece insuperável, não é? Mas acontece que toda essa dor sentida pelo que você perdeu agora vai passar, é tão clichê, mas não há outra verdade, vai passar.

Então, não feche essa cara, não esconda os seus sorrisos, não se limite, não prive os outros da sua companhia agradável, não finja arrancar seu coração, não invente frases de superação, não represente estar melhor, aceite seu sofrimento e simplesmente tente. Abra suas possibilidades, retome planos antigos, faça escolhas novas, conheça pessoas, converse menos e ouça mais sobre o que os outros tem a dizer, ser um ouvinte de dores e alegrias alheias nos torna melhores, mais humildes, mais humanos, aprendemos e reaprendemos a dar valores ao que temos e ao que perdemos também.

Que tal uma corrida? Corra, leve um fone de ouvido. Corra e respire, você terá a sensação única de revigoração. Saberá durante esse exercício físico que precisamos viver com vontade e que nunca estamos protegidos da dor, das lágrimas, do sofrimento, mas podemos mudar sempre, se nada está dando certo, mude. Comece novamente quantas vezes for necessário, não se julgue, não se culpe, você não precisa disso, acorde com o pensamento novo, relaxe, veja um filme, ouça músicas que te façam bem, saia e divirta-se, o tempo é curto demais, crie boas lembranças, faça programas diferentes, faça algo bem louco e dê bastante gargalhadas depois. Não tenha pressa, seja feliz.

Dê uma chance para ao invés da razão a emoção fazer algumas escolhas. Seu coração pode encontrar alguém que fará você sorrir sozinho, alguém que lhe dará a mão sem medo de onde você a/o levará, alguém que o/a deixe com saudades, mas que não esperará sua fossa passar pra ganhar um sim seu. Aproveite as noites sem medo do amanhã, de repente há nessa vida alguém com as mesmas idéias de desapego tanto quanto você. Pra você ver, ainda tem muito o que considerar, hoje em dia quase ninguém quer um relacionamento sério depois de o que? Cinco sou sete saídas, na na na na não, é necessário você conhecer alguém bem mais que isso, certo?

Aproveite companhias divertidas e saiba viver, tenha sede da felicidade, busque-a sempre em todos os lugares, observe cores, admire paisagens e não esqueça de ver o lado bom em toda e qualquer situação. Nós tendemos a dar atenção demais a nossa dor, sem querer multiplicamos essa dor de forma desnecessária, é só mais uma decepção de muitas que ainda virão, se tudo fosse perfeito não teria graça alguma.

Não viva em cima do muro, decida-se, tome atitudes, não fique esperando alienígenas baterem na sua porta trazendo flores, faça sua felicidade acontecer e dê o seu melhor nisso! Tudo depende de você! Não desanime, cair é a única forma pra aprender a levantar as vezes sozinho ou as vezes com ajuda de alguém.

Agradeça a Deus sua saúde, seus sentidos, sua família, seus amigos, seu trabalho, seu estudo. Agradeça a Deus a manhã de sol que ele te presenteia todos os dias pra você ir lá e ser mais feliz que ontem.  Acredite mais em si e na sua capacidade de fazer outra pessoa feliz.  E saiba que perto ou longe eu estarei aqui, com um sorriso generoso e torcendo por você!



Como aquela canção já dizia: 
"Quem acredita sempre alcança"
Traga sua fé que eu levo a esperança.
A gente só precisa acreditar que tudo vai dar certo
E vai!

| Ivo Mozart |

quinta-feira, 31 de outubro de 2013

O Amanhã


Dizer o que? Sobre o que? Sobre nós? E que nós? Eu poderia criar, escrever, descrever... Página em branco é como um dia que virá... Não dá pra prever o que será escrito, não dá pra prever o que acontecerá em um novo amanhecer. As palavras são batidas, mas o momento em que uma pessoa me disse essa frase: “Nada como um dia após o outro” Fez todo o sentido. Cansei de dormir preocupada com o hoje, com o ontem, com as atitudes que não poderiam ser mudadas, com as palavras impensadas que foram ditas, cansei de dormir com medo do amanhã, com medo do nunca...

Ë só acreditar na paciência, paciência pela espera dos dias que virão... Não sei se com esses dias virão momentos agradáveis, mas o que posso dizer com toda certeza é que não existem apenas momentos bons e uma vida de felicidade completa...Achar a pessoa certa não significa que você será feliz pra sempre! Temos a idéia ao acordar que podemos mudar tudo, mas e quando esse tudo não depende de nós, quando está fora de alcance, como um celular fora da área... Não adianta ligar se a pessoa que está do outro lado não puder atender... Frustração pelo que não depende de nós é desnecessário! Espere. Mesmo que não aconteça nada, não venha nada, não mude nada...

Sente-se. Lembre dos momentos bons. Guarde. Quando você os viveu você estava feliz. Então não se arrependa. Dia bom ou não, o amanhã virá de qualquer jeito. Aceite. Confie que tudo acontece com um propósito, mesmo que não seja o Seu propósito no momento. 




Hoje aqui, amanhã não se sabe, vivo agora antes que o dia acabe 
Neste instante, nunca é tarde,  mal começou e eu já estou com saudade 
Hoje aqui não importa pra onde vamos, vivo agora, não tenho outros planos 
É tão fácil viver sonhando e enquanto isso a vida vai passando... 

quarta-feira, 30 de outubro de 2013

A Blogueira



Nome: Dheysse Lima
Aniversário: 04/02
Idade: 24
Signo: Aquário (Amo meu signo!)
Profissão: Nutricionista apaixonada pela oncologia clínica.

Sonho: Publicar um livro e obter Doutorado em Nutrição Oncológica
Medo: Não me despedir dos amigos que se vão cedo demais.
Qualidade: Humana
Defeito: Falar demais (risos!).
Um Orgulho: Ter tido Câncer aos 17 anos.
Mania: Ter diários
Hobby: Escrever e ouvir música.
Não Vive Sem: Internet
Um Vício: Naruto
Um Amor: Minha família.
Quem Você mais Admira: Minha irmã

Um Show Marcante: Biquini Cavadão
Livro: Trilogia 50 Tons
Filme: Vida Bandida
Série: House
Música: Black Pearl Jam
Disco: A Tempestade
Banda: Legião Urbana em 1º Lugar!
Cantor: Jason Walker/Wilson Sideral/JorgeVercillo/Cláudio Néder/José Augusto/Fábio Jr.
Cantora: Laura Pausini
Dupla: Bruno e Marrone/Victor e Léo
Escritor: Gabito Nunes. Lucas Simões. Hugo Rodrigues. Pe. Fábio de Melo. Daniel Dovolento
Fã de: Barbixas (Comédia!). Improviso! Stund-up!

Primeiro Amor: Nick Carter (Backstreet Boys) - risos!
Um Homem Bonito: Calvin Harris
Eu Casaria Com: Christian Grey.
Uma Data Inesquecível: 12/2009
Lugar Que Gostaria de Conhecer: Grécia
Quem Deixaria em uma Ilha Deserta: Silas Malafaia

Uma Curiosidade: Nem tudo que escrevo é sobre mim
Uma Palavra: Persistência

Uma Frase: Não me dia que o céu é o limite quando há pegadas na lua. 

domingo, 27 de outubro de 2013

Impressa Aline

All good things come to an end.


Era uma vez alguém que não tinha nada a oferecer, mas se doou. Era uma vez alguém interessante, mas insistente em se fazer não ser. Com o tempo ele se perdeu. Existem diferenças nas entrelinhas quando as cartas são postas na mesa. Falta de comunicação faz com que perfeitos momentos se tornem lembranças que não queremos ter. Falta de sinceridade. Mesmo. Daquelas que machucam, que dói. Poupar alguém de viver seu sofrimento não trás felicidade. Ela tinha alegria que o convidava, alegria que há muito havia sido apagado  dos dias daquele moço.

Pessoas mudam. Todos os dias. Em vinte e quatro horas trabalhamos os pensamentos, recalculamos os planos, vemos o que é certo e o que não é. Na manhã seguinte já havia mudado. Já nem sentia mais. Ela era assim. Inconstante. Entendia sobre erros e queria dizer. Perguntas nas horas certas faltaram ou talvez só respostas. Falhou em não deixar claro o nível de relacionamento. Compromisso? Não, não. Nada disso. Tinha ideais bem excêntricos: companhias, amizades e diversão. A noite da terceira vez entregou os pontos. Era só isso. Esperou a oportunidade pra sorrir e contar. Conclusões erradas de quem não anda se importando com o presente a afastou. A prioridade dela desde que chegou é esquecer. É, adivinha só, ela também tem um passado recente a cortando. E a música cura, pelo menos pra ela é assim.

Na quarta vez tinha os braços livres e esse era o plano, mas ele a reencontrou. Gosto parecido dá nisso, certos acordes, muita gente, desvia-se o caminho, já disse não querer ver rostos conhecidos. Liberdade como antes. Vida como antes. Fé como antes. Todas as pessoas possuem DNAs únicos e elas estão espalhadas por aí, cada uma com seu passado, cada uma com sua cruz. Feliz o que reconhece e divide sua dor, sinal de que não está medindo esforços pra recuperar aquilo que um dia lhe foi roubado. Ela tem sede de viver. Durante essa vida é tanta gente surgindo e sumindo repentinamente que pra ela a primeira impressão nunca conta, mas sim a última, a que todos deixam antes de partir.

Hoje a palavra gostar parece ser sinônimo de amar, sorte de quem sabe a diferença. Em resumo, o "se cuida" que ela sempre insiste em dizer se encaixa bem melhor nesse sinônimo. Sorte de quem entende. 

Quando nada mais puder ser feito, esqueça e siga em frente.





sábado, 26 de outubro de 2013

Ligação

Cada hora que passou e as mentiras que contou 
por alguém que talvez deixei de conhecer...
| Nx Zero|



- Alô?
Seriamos dois malucos, quietos e frios?

Charme sem volta e confissões a parte. Volta, foge, finge. Pode me ouvir? Com aquele meio sorriso que me fascina e os olhos verdes que não me juram amor eterno ele nunca se vira, não quer perder tempo com muito, pouco ou quase nada. Volto porque me chama com suas imperfeições, me encontra com suas loucuras e me tenta com suas palavras monossilábicas e imprevisíveis. Então senta. Garçom, por favor duas doses de tequila, sal e limão pra um começo de conversa sobre o que não temos. Vem, me olha, me fala de você sem rodeios, das suas atitudes antes de ser um homem politicamente infeliz, me conta mentiras e eu prometo te fazer sorrir com verdades, a gente pode ficar a noite inteira aqui, vou entender motivos, me fazer de incerta e confessar como imaginei nosso reencontro depois da última desconversa. 

Eu irei te mostrar falhas e incrédulo ao meu discurso você sorrirá pra mim, recolherá suas mentiras e partirá sob a minha visão por entre qualquer porta que esteja aberta. Então primeiramente me ouça e olhe pra você e veja o que você foi e o que você é, alguém que depende das decisões dos outros, custo acreditar que esse sonho  de urnas e puxa sacos é um sonho seu. Um sonho? Ou uma vida sem opções? Responde. Me enfrenta. Aponte meus defeitos e faça com que isso possa esconder os seus. Me deixe ao menos falando sozinha. Me dê algum motivo pra acreditar que você não é quem foi. Seu sorriso me enfraquece, seu abraço só segura o que não toma de uma vez pra si. Talvez você só não possa ser mais quem foi

São compromissos, viagens, sem terra firme, sem lugar pra voltar, reuniões, discussões e essa rotina incansável por quatro anos. O perfeito do imperfeito. Não adianta me punir por suposições absurdas.  Não foi por um servidor do poder Legislativo que me apaixonei, foi por um homem comum, por seu sorriso, olhar e sua capacidade de me fazer sorrir e sentir saudades. Só que agora você já  não é capaz de sentir e nem de despertar isso em alguém. E mesmo me contestando, escute suas palavras. Esse novo você só consegue impressionar seu próprio publico, feito de interesse, fingimento, imaturidade e desconfiança. Me fala? Quem são aqueles em que você pode confiar dentro dessa bolha politica?

Enquanto você se preocupa com os outros eu deixo de me preocupar com você e o seu coração. No fim é apenas isso que você quer. Eu aqui mais uma vez assistindo você se render e eu me agarrar em esperanças apenas pra não partir,  mas nesse momento olho pra nossa única foto juntos, desligo o celular, juro nunca fazer essa ligação e deixo você ir. Seguro as malas e também vou. Serão três meses com toda desesperança no coração, cada chance por você desperdiçada só me faz querer ser forte o suficiente pra não voltar pra todas as mentiras contadas pelo seu olhar quando eles repousam em  mim.

quarta-feira, 23 de outubro de 2013

Viva Por Mim

Cada sorriso vai ser pra sempre a melhor lembrança 
Cada olhar a chama acesa pra amar 
Cada abraço o prazer infinito, o som, a nossa dança. 


Quando você chegou na minha vida eu estava tão machucada, prometendo não me envolver e nem acreditar no amor. Quando você me deu a mão e sorriu, fui indiferente a qualquer vestígio de interesse. Seu e-mail como forma de me conhecer não teve resposta. Quando resolvi enfrentar o mundo fora da minha fortaleza a primeira pessoa que encontrei foi você, me esperando. Então sorri. Fui testar seu interesse a base do meu descompromisso com qualquer sentimento. Você me tomou pelos braços, conseguiu  meus sorrisos ainda que tristes, não foi como os outros, não apenas me viu. Você me sentiu, me leu, me interpretou. 

Você estava decidido a lutar e lutou com minhas regras, com meu desapego, com minha ausência, com as respostas das mensagens que nunca enviava, com o tempo. Contra mim. Com todo cuidado conseguiu abraços de despedidas nas poucas saídas para as quais eu dizia sim. Com toda manha fingia aceitar minhas condições de um relacionamento duvidoso. E era apenas o que eu tinha a oferecer por sua companhia.
.
Quando você me deixou não por vontade, mas porque devia ser feito, eu aceitei. Quando chorei no seu colo por sua partida você me consolou e me prometeu reencontros. E cumpriu sua palavra. Um ano depois estávamos juntos. Quilômetros de viagem por um dia. E você me amou. Me amou de um jeito que hoje quando fecho os olhos ainda consigo sentir. E esse foi nosso fim. Quando te deixei naquele aeroporto todas as partes de mim não aceitavam perder você, todas elas sabiam que era  última vez que nos veríamos. Com minha inteira dificuldade em expor sentimentos eu resumi todo nosso tempo juntos em três palavras: Eu Te Amo. E então fui embora. E nunca mais vi você.

Você sempre terá uma parte de mim. A outra teve que continuar sem você. Amores ainda virão, mas nenhum será inesquecível e marcante como você e tudo que você me deu. A única lágrima que vi em seus olhos na última vez só mostra o quanto foi difícil pra você me deixar também.

Você conseguiu viver sem mim, mas eu, as vezes tomo consciência que inconscientemente ainda espero por você quando lembro da promessa que te fiz um dia:  - Não importa com quem eu esteja, quando você voltar pra mim eu volto pra você.

Alguém pode me dizer se vou te encontrar outra vez
Será que alguém pode me fazer voltar
Sei que a porta sempre vai estar aberta pra nós
Pra quando eu entrar em seus sonhos, poder te encontrar
Lembra, eu sempre disse que tudo ficaria bem
Eu sei que não mais estou aí
Então viva Viva por mim
| Victor e Léo | 

quinta-feira, 17 de outubro de 2013

Separação

Por que a vida fez isso pra sempre com nós dois?
Encontros, destinos sem razão
E os finais felizes vem e vão...
| Quando Acabou - Quimica |




- Já pegou as chaves? 
E eu digo pra mim mesma que esse é o certo a fazer, apago as luzes, sei que hoje o lugar tão caloroso que me acolhia em dias de inverno só ficará cada vez mais frio. Nosso relacionamento tão leve se encheu de indiferença, desamor e discussões.

- Peguei.
Ela precisa de tempo, de mais tempo. E não importa qualquer coisa que eu diga, ela está decidida. Não há lágrimas, não há vestígios de que essa vez será só mais uma vez. Ela só precisa de tempo. As horas que eu pedi por um jantar, as horas que a convidei pra um cinema, as horas a chamava pra comemorar nosso terceiro ano de namoro. E ela sempre ocupada com o trabalho e os estudos.

- Posso mandar amanhã o que você deixar aqui?
Por que ele não fala nada? Fica andando de um lado pro outro arrumando as malas aceitando o fim. Antes todas as nossas brigas de casal terminavam com nossos sorrisos sabendo o quanto éramos bobos. Ainda lembro do dia que o conheci, um boa tarde seguido de um prazer em conhecê-la. A partir daquele momento eu sabia que tinha encontrado o dono dos meus sonhos. 

- Não é necessário, vou levar tudo que preciso.
Me pergunto se a fiz feliz. Ela ainda me tem com seus imãs nos dedos, olhar pra ela faz sentir com que todo meu corpo fosse puxado por suas mãos, eu me seguro por sua fortaleza. Não quis chegar até aqui andando de um lado pro outro, escolhendo quais objetos não levar pra não ter que lembrar a felicidades dos dias guardados por toda a parte.

- Quando sair pode fechar a porta?
Eu sinto minha vida saindo por aquela porta. Eu sinto, mas já não posso impedi-lo, ele parado olhando pra mim como se eu pudesse mudar os últimos meses insuportáveis me deixa inquieta, eu me sinto insegura, eu seguraria ele se isso fosse o que ele realmente quisesse. Mas seria apenas um adiamento do fim. Já não somos opostos que se atraem, somos iguais. Me vejo nele.

- Você faz isso. Eu só preciso ir agora.
Em silêncio olho pra ela, não há nada ali, Nenhuma emoção. Nem vida. Nada que a fizesse levantar e segurar meus braços, não precisaria me implorar pra ficar, nada disso, apenas que me desse tempo, seu tempo precioso, perdido e tão preenchido.

Apesar de tudo quando a observo paralisado do jeito que estou, com a mão segurando a porta é quando mais me vejo nela, é quando mais me sinto ali... E sei, tenho certeza. Ainda a amaria por toda uma vida. Ainda seria toda a sua felicidade. Ela me pergunta se posso fechar a porta ao sair, mas não posso. Dessa vez me recuso a encenar o nosso fim.

Dheysse Lima



Era ruim com ela, era pior sem ela. Um paradoxo que gritava decibéis tão baixos que me perfurava os tímpanos. Não tinha salvação mais, então me rendi. Porque perto dela era como se meu coração fosse penetrado por mil agulhas molhadas no álcool, mas longe dela era como se tivesse arrancando tudo, só o buraco. Longe dela eu não era mais nada.

— Jorge, 01 de Outubro

sexta-feira, 13 de setembro de 2013

Meus Incensos

"Ah! Mas eu tô tão feliz"
"Vou espalhar meu amor por aí..."
"Passos pela rua, lá vem o amor..."

Respiração sem dor. Dias claros, céu azul. Verão chegou iluminado o norte. É pra onde vou. Novos horizontes, as correntes já estão no chão e que alívio! Oxigênio sem polução. Redirecionei meus passos, refiz meus planos, soltei o play na lista de músicas que substituem dias cheios de lembranças e noites de espera. Soltei a voz porque liberdade deve ser ecoada, outros ouvirão. Ponto de partida, ouvi sorrisos ao meu favor, ausência por tempo aberto, olhei pra mim, remontada em dias felizes sentindo o vento me levando pra tudo que desejei. 

Sei, a cada manhã sorrio pra oportunidade de sentir o gosto doce da vida, alguém aí já sentiu essa sensação? De que tudo vai dar certo? De que tudo está em paz? Otimismo. Fé. Amor. De si. Em si. Pra si. Você importa, seus sonhos importam. O espelho reflete luz. E são sim dias perfeitos em cada momento, sem velhas lágrimas, mudança sem medo, de tons, de cores.  Vida, uma estrada longa e finita. Pra quem rodou tanto nessa estrada, perder uma vez não atrapalha nada. Leva espaços de tempo pra aprender que essa frase faz todo o sentido, é preciso acreditar, se o ambiente estiver pesado, compre incensos, respire novos ares. 

Seja feliz e espalhe amor por aí. 

Dheysse Lima


Alma D'Jem - Passos Pela Rua


quarta-feira, 21 de agosto de 2013

O Tempo Para o Amor


Ele tem passos destinados ao outro lado que se movem urgentemente. Sem pressa. Possui olhos sinceros que enxergam através das constantes negações. Dono de um sorriso com malicia, intimidante e confiante. Seu toque superficial desperta calafrios por toda a pele possuindo total descompromisso na ponta dos dedos. 

 Ela caminha para a direção exata, mas o destino dos seus passos brinca de ir e vir sempre que se sente ameaçado por sentimentos incertos. Com pressa. Possui os mais gentis olhos que escondem sinceridade através de ensaiadas negações. Dona de um sorriso inseguro, mas firme, transparente em desinteresse testado pelo reflexo de si por vezes incontáveis. Seus poucos toques possuem toda força de sua vontade e desejo de despertar o que é despertado em sua própria pele. 

Eles observados dessa distância jogam atraentemente as cartas que dependem do tempo, porém nesse jogo insano e divertido não há perdas. Apenas regras. Feitas e supervionadas pelo bondoso Tempo que se responsabiliza de testar os passos, os olhares, os sorrisos e os toques quantas vezes forem necessárias em encontros, desencontros e reencontros até que eles se rendam e se entreguem a esse sentimento contraditório e fascinante. 

O tempo brinca de levar e devolver quem amamos, com toda paciência se faz necessário pra superarmos, esquecermos e recomeçarmos. Em um tempo ele proporcionou o encontro desses dois corações, com o tempo ele os afastou, agora talvez seja o tempo de decisão. Ou não. O tempo faz as regras e sabe como ninguém unir vidas. Para esses dois há apenas uma única certeza: O tempo é e sempre será o senhor de seus destinos.

segunda-feira, 19 de agosto de 2013

528 Dias com Ele

"Qualquer semelhança com pessoas vivas ou mortas é mera coincidência … Especialmente você, S. R."


Esse texto não é sobre um romance.

25 Segundos podem modificar toda sua vida, certo Gabito?
E em alguns casos nem precisa do The Smiths pra fazer acontecer o momento da ruína de pelo menos cinco anos de sua existência, certo de novo? Nessa hora todo mundo pode fechar os olhos e tentar relembrar os 25 segundos que passaram quando vocês conheceram "o cara da sua vida". Cada um tem sua história, seja um tropeço casual, alguém sentando do seu lado em um banco da praça, em um ônibus, pode ser também um encontro destinado na fila de um show, no supermercado, aqueles 25 segundos que você olha o vocalista da banda que por casualidade você nem queria assistir, ou um simples aperto de mão com a frase: Prazer em conhecê-la.

É, pelo visto não sou a única, 25 segundos por 528 dias divididos em felicidade, alegria, tristeza, raiva, felicidade de novo, diferenças, raiva, alegria, choro e fim. Fim? Nada provado. O fato é que enquanto alguns acreditam em coincidências e outros em destino, eu apenas sei  que temos que estar no lugar certo, na hora certa, com olhos abertos e sentidos aguçados, não sei bem como definir esse momento, mas acredito nele, e em como ele exerce um poder sobre você e suas decisões.

Seus 25 segundos podem dar certo. Ou não. Se der certo, parabéns e dica: Faça o mundo conhecer sua história! Porém, se não der certo ou não está dando certo, faça como Tom Hansen sofra o que tem pra sofrer, afunde, chore, escute músicas como Shes Like the Wind do Patrick Swayze ou I Have Nothin da Whitney Houston (não que eu tenha feito isso), grite dentro de um ônibus, ou em uma festa lotada e então, só então, volte pra sua vida. Acorde, retome seus sonhos, trace planos, alcance-os e abra os olhos mais uma vez, de repente existe alguém que você apenas ainda não viu.

E viva seus 25 segundos mais uma vez.
O Tempo é infinito, você sempre terá uma nova chance!

Rachel - Hei Tom, escuta, eu sei que você acha que ela era especial, mas eu não acho. Eu acho que tá só lembrando das coisas boas. E da próxima vez que olhar para trás eu acho que devia olhar direito.

Summer - Eu não acredito em amor. 
Tom - Porque não? 
Summer - Porque ele não existe! 
Tom - Como sabe que ele não existe? 
Summer - Como sabe se ele existe?
 Tom - Vai saber quando sentir.

sábado, 17 de agosto de 2013

Caras como Eles

Uma Homenagem ao escritor Gabito Nunes
e a banda Los Hermanos


A combinação de Los Hermanos e Gabito me permite sentir a felicidade através de artes simples e inexplicáveis. 

 Gabito escreve minha alma em linhas cada vez mais devoráveis toda vez que surge um novo texto! De onde vem a calma? De onde surge a inspiração? Parece que ele acompanha minhas tristezas, alegrias, fúrias e surtos mais perto de mim do que eu mesma me permito estar. Gabito arquiteta meus sonhos mais divertidos, mais loucos, mais impossíveis e melancólicos. Neles sorrio, pulo, torço e choro, tudo ao mesmo tempo! Incrível sensação de se prender em [nas] palavras! Me diga! Quem nunca sonhou em ser a Juliete? Quem nunca imaginou conhecer um confuso e romântico-não-declarado Santiago? Gabito faz isso! Faz a gente se perder em devaneios enquanto caminhamos perdidamente pela leitura fascinante de seus textos. Fragmentos identificáveis que gostaríamos de falar, gritar, berrar, sussurrar cheios de vivacidade e timidez. É fácil de responder quando aos 50 anos me perguntarem qual o Escritor que fez toda a diferença pra mim? - Aquele minha cara, que ensinou que não importa o que aconteça. O amanhã seguinte sempre chega!

Pra nós todo amor do mundo! Pra eles o outro lado. E o Los Hermanos vira, revira as minhas mudanças de humor. Pra cada toque do destino uma música. Entre A Outra, Morena, O Vento, Tá Bom, A Flor, Cara Estranho e a clássica Sentimental eu embarco de corpo e alma. Fecho os olhos e ali estou mais uma vez, não escrita, mas cantada. Esperando por um Último Romance ao lado da voz singular do Camelo que me pergunta repetidamente "Quem é mais sentimental que eu?" - Não sei Camelo, não sei...  Mas me conceda esse espaço entre o jornal e a fila do pão só pra que todo mundo saiba que eu definitivamente te encontrei! E é estendendo os braços pro futuro que esqueço minhas emoções negativas. É aqui com toda essa gente me olhando, minhas pernas tremendo e a voz embargando que canto bem alto o que você me falou: "Você me falou pr'eu não me preocupar! Ter fé e ver coragem no amor!" E pode apostar! Do nosso amor a gente é que sabe, pequeno.

Se chover demais...
Pode deixar a gente vai saber e sorrir só de encontrar o que já faz parte de nós.
Como fiz quando ouvi Los Hermanos e li os textos de Gabito pela primeira vez.

sexta-feira, 16 de agosto de 2013

Give Me Love


Talvez eu deveria deixar você ir 
Você sabe que vou lutar pelo meu canto
 E que talvez te ligue hoje a noite 
Depois que meu sangue estiver se afogando em álcool.



terça-feira, 13 de agosto de 2013

E aí Tempo?

O silêncio me falou 
Deste tempo que passou. 


De repente me pergunto se ele está ajudando ou se anda me sabotando? "Dê tempo ao tempo", "o tempo se encarregará", "o tempo cura tudo", "o tempo tudo leva", " o tempo é o mestre de tudo". E aí tempo? Cadê o sol? Eu vou reparar? Porque sinto passar, mas ainda continuo aqui, com esse sentimento me ocupando 24hs me deixando sem tempo pra tentar esquecer ou pra começar a esquecer. E as promessas de cura? De ajuda? Quando você vai levá-lo? Voltar no tempo é regra proibida? Penso que sim. 

Quanto tempo leva pra vida girar? Quem foi voltará, quem está aqui irá e outros chegarão? Seja o senhor do destino, tempo. E leve. Silenciosamente. Só não me peça pra conviver com o agora, cada hora, minuto, e segundo é de espera,  É  na espera onde mora meu total descontrole. 

E aí tempo? Pode resolver? Na hora de me apresentá-lo você trabalhou muito bem, não foi? Com dia certo, hora marcada e lugar exato. Só que como posso dizer? Não funcionou muito bem. Talvez foram minhas escolhas, minha idealização, nem sequer mergulhei, já fui me afundando mesmo. Ele não ficou. Foi isso tempo? Esse era o seu plano brilhante? Que impressionante!

Meu relógio marca 17:44, pode começar a trabalhar, e não quero promessas, sei que não é fácil e nunca será, até porque se fosse tudo fácil eu mesma mandaria a saudade embora e apagaria as lembranças,  mas minhas habilidades humana de esquecimento não funcionam muito bem até onde sei. E fique a vontade pra se sentir culpado, você o trouxe, rabiscou minha memória, me deu o sofrimento de bônus e a espera como punição. Me recuso a ajudá-lo. 

Faça sua parte que serei feliz quando nada dele restar em mim. 
É o minimo que você pode fazer por sua audácia em se comportar como um ser de asas e flecha na mão.

domingo, 4 de agosto de 2013

Caso Indefinido

Eu seriamente disse e vi você ir embora com seu típico "Tudo Bem".
Mas você apesar das minhas insolências, voltou.


Eu sempre fico meio bamba quando tento entender você. Às vezes é simples. Até pra mim, sabe? Não exijo nada, mas conscientemente desejo você no meio das minhas coisas, da minha vida, espalhado por todos os lugares até que isso possa não dar certo. Você pode vir, ir, vir, ir... Eu espero pra sorrir contigo e lembrar que já se passou um ano desde que você atravessou aquela porta e me estendeu a mão. 

Cada vez que te vejo é diferente, dessa vez além de apenas ver, surpreendentemente pude sentir, cada toque acalmou meu coração, acalmou a ansiedade, então tudo estava em paz. Foi a primeira vez que definitivamente entramos em sintonia. Você me presenteou com a órbita e permaneci lá nos dois dias seguintes, mas a vida ou você precisava mostrar a realidade dos fatos ou a verdade qualquer que cerca nosso contato restrito. A magia nos deixou?

Como pode alguém dar a felicidade perfeita e depois a tristeza? Como pode alguém  dar a atenção e a compreensão e depois a indiferença indesculpável? Você pôde. Você sabe o que quer, não possui timidez e nenhuma palavra cortante parece atingir esse seu ego. Você simplesmente não tem medo de voltar. Como pode alguém sentir orgulho do prazer e depois vergonha? Como pode alguém sentir que é tão importante e única e depois apenas mais uma? Eu pude. Mentalmente decidi minha renúncia e dei permissão pra sentir dor.

Somos marcados, eu bem sei. Não estou pronta pra curar a dor de ninguém, não suporto conviver nem com as fotos e minhas lembranças, como posso ser um alicerce? Esse medo fixa minhas ações no chão. Preciso dos outros constantemente, talvez quase sempre pra conseguir mover meus pés em sua direção.  Teríamos que ser apenas presente, quem sabe assim conseguíssemos, mas quem somos afinal sem o passado? Cada olhar seu no terceiro dia me destruiu. Você se foi mais uma vez.

E eu não estou pronta pra pedir que fique. Em um ano nunca fomos tão longe, talvez esse tenha sido o nosso fim. Tenho que reconhecer, foi um fim digno: Amar você por uma única noite foi tudo que consegui fazer por nós dois. Já não me resta forças pra lutar por quem não consegue se doar na mesma medida. É inútil desejar qualquer coisa que seja com você.


domingo, 30 de junho de 2013

Lucky Strike





Ele passa e minha mente inquieta o acompanha. Ele olha e meu coração sente que não haverá outra vez. As mãos dele se distanciam das minhas a cada dia, eu vejo, mas não sinto. Nada. As palavras não me oferecem uma terceira chance e as atitudes há muito deixaram de ser companhia em dias em que me perco no passado do que poderia ter sido e não foi. Eu apenas teria segurado forte. 


Perder o que nos é importante. Eu pensei que não sentiria, não doeria. Mas ele sempre surge nos lugares mais improváveis apenas pra fazer com que eu entregue o resto de dignidade que ainda me resta. Então nego, me recuso a acreditar que é pra ele que peço proteção todas as noites. Sua frieza e indelicadeza parecem ser o suficientes pra me forçar a uma desistência inevitável, o que ainda me mantém presa são as lembranças das conversas, sorrisos e culpa, minha culpa. Eu o deixei ir.  Ele me segura e não prende. Me orienta e me enlouquece. Me chama, mas não me ouve. Tem outros planos. É uma vida nova traçando o passado. Parece emocionante até. E eu assisto apenas pra não partir. Ele não quer me machucar. Mas quer fazer com que eu me arrependa. 


Acredite. Não vejo culpa como arrependimento.  Não há como enganar. É um sorriso lindo. Irônico e ensaiado. Seu olhar em uma dança de boa noite é apenas pra tocar a alma que por egoísmo ele tomou pra si. Jamais adiantou que eu segurasse suas mãos. Sua intenção nunca foi permanecer. Não o deixei ir. Ele quem não me fez ficar. Nunca saberei o que sinto de verdade e o que motivou a escrita desse texto. Odiar amá-lo ou  amar odiá-lo.

quarta-feira, 26 de junho de 2013

Desatando os Nós

Sorte maldita. A espera. Cansável espera. Perdi.  Antes mesmo de ser derrotada por todas as mentiras. Abril. Maio. Fim de Junho. A primeira vista, eu sorria por ser invisivelmente feliz. O primeiro sorriso, eu agradecia a Deus por ter tido uma manhã cheia de bênçãos. A primeira esperança, comemorei e daí por diante me senti uma completa idiota por consentir  ter o que a mim nunca foi ofertado.  Você nunca vai poder compreender a insuportável angustia da culpa por não dizer e por não fazer. Minha covardia, omissão e indiferença deixaram em aberto a oportunidade de falarem e fazerem por mim. 

Eu errei confiando conscientemente. Erros onde "ses" perturbam mais que o medo dos "nãos". Sempre recuando. Nunca avançando por racionalizar minhas vontades impossíveis. Pode me dar de presente a conversa que nunca quis? Porque a crença de que as palavras verdadeiras sem sentimentos poderão ser esclarecidas me desperta e vela meu sono todos os dias. Coragem ainda me falta, mas o impulso de ser bem mais que o silêncio prevalecerá se então permitir. Desgastei a lembrança feliz de ser invisível no momento em que me deixei sentir inverso ao meu desejo mais discreto. Se amo? Pouco tempo pra sentir tanto. 

Se gosto? Tempo suficiente pra não querer sentir mais. Não mostro que o quero. Fuji por três anos sempre me enganando no amor para não sofrer  despedidas. Mas ele me ensinou quando partiu em Dezembro: Gentileza é aceitar a escolha mesmo que não seja a que desejamos.  Sentimento puro de coração não se devolve e nem se exige um final feliz, não é Fabricio Carpintejar? Tudo que eu sinto só pede por uma atitude enfim: Que eu consiga me retirar.



terça-feira, 18 de junho de 2013

Dias de Luta. Mudando o Brasil

Depois de 20 anos na escola, não é difícil aprender todas as manhãs do seu jogo sujo 
Não é assim que tem que ser?
[...] Somos os filhos da revolução 
Nos somos o futuro da nação! 

| Renato Russo - Geração Coca-Cola |


E então fomos à luta! Nos manifestamos porque acreditamos! É chegada a hora do nosso Brasil deixar de ser reconhecido mundialmente por seu futebol e sua política corrupta. Chegou a hora de expressar nossa força, nossa fé na mudança! Chegou a hora de honrar a memória de nosso passado em nome daqueles que foram as ruas tempo atrás rompendo barreiras, preconceitos e injustiças, pintando suas caras e gritando por um país do futuro. 



É a nossa vez! Nossos filhos, netos e bisnetos saberão que fizemos parte da multidão que deixou de silenciar, que fomos às ruas, cada um carregando um pouco dos sonhos de João de Santo Cristo, fomos gritar, mostrar a cara do verdadeiro Brasil e que sim, podemos ainda mudar a fama da nossa pátria amada.

Por nossos antepassados, por tudo que Renato Russo, Cazuza e Raul Seixas, Chorão, meus ídolos, nossos ídolos, ídolos de toda uma geração acreditavam, somos a voz, os filhos da revolução pedindo que dessa vez o Brasil confie em nós! 

Olhem, ouçam, levantem a bandeira, levantem as mãos, gritem, cantem, mostrem orgulho de serem filhos dessa terra, em diferentes lugares, diferentes capitais estamos conectados, de braços unidos, lutando juntos, fazendo a diferença e o mais importante: Mudando o Brasil! 

Dheysse Lima

domingo, 2 de junho de 2013

Sobrevivente

Crio, recrio e destruo tudo da forma que eu quiser. Mesmo que isso exija muito de mim, mesmo que eu tenha que me reinventar todas as vezes. Mesmo que pra isso eu precise perdoar. E ao perdoar me dou o direito de ter de volta tudo o que me foi tirado quando deixei de pensar por e em mim. Eu me devolvo a  felicidade, eu me devolvo um sorriso, eu me devolvo o direito de ser feliz, eu me devolvo o direito de ficar triste, eu me devolvo o direito de chorar. Quando eu quiser!! Por fim, eu me devolvo a mim mesma.

Levanto, insisto, persisto e resisto.
Recomeço e acredito.
Me renovo.
Tudo que estava perdido.
Eu reencontrei.
Aqui está.
Agora, é só se concentrar.
E não retornar.


Dheysse Araújo de Lima

quarta-feira, 29 de maio de 2013

Meu Reino

E em uma noite estranha de dúvidas e incertezas me perco fechando os olhos e pensando em tudo que eu tentei dizer e fazer... Eu quis tanto não ser um “se” que talvez tenha sido apenas o que me tornei. Fantasiei com o dia em que olharia com felicidade o dia embaraçoso o qual nos conhecemos, mas o que consigo agora é não tentar lembrar. 

Você sem saber me deu todos os sorrisos e motivos pra levantar a cada manhã. Mas aí eu fui idealizando, criando a imagem que eu quis ver. Seus poucos sorrisos após a realidade desabar sobre mim se tornaram insuficientes e desinteressantes.

O triste é a sensação do desistir, desistir faz parecer que não lutei o suficiente. É, não me canso de repetir: Lutar por causas perdidas e que não valem a pena é no mínimo constrangedor. É quando ligo o chuveiro, me concentro interminavelmente e sinto a certeza que mais uma vez guardarei os dias de felicidade dentro de mim, me contradiga se esse não for o melhor a fazer. 

Guardo então esses dias, dias que ainda proporcionarei a alguém que se fascine pela leitura, que converse sobre os casos que não conseguir diagnosticar da série Dr. House, alguém que brinde a terceira tequila comigo em um bar qualquer cantando “nem foi tempo perdido, somos tão jovens”. 

Eu não preciso de um homem perfeito. Eu preciso do homem que eu escolhi. A vida é feita de escolhas e elas servem pra que a cada cara errado que se conheça, se possa enfim identificar o cara certo. Todos temos uma história pregressa de amores mal resolvidos e atitudes e palavras das quais não admitimos, mas nos arrependemos. É a vida. E a ironia é que me arrependo justamente de ter admitido gostar desse seu jeito e calado de ser. 

A emoção em raras às vezes sabe quando a razão precisa desistir.


terça-feira, 14 de maio de 2013

Living On The Edge

Tequila, sal e limão. Coragem e auto estima. As noites são mais fascinantes. A brincadeira entre olhares e sorrisos, amigos e felicidade se torna completa com uma banda levando um bom Rock in Roll.  Então, buscamos em rostos perdidos novos amigos, novos amores, paqueras, ficantes, ou seja lá como falamos hoje em dia. Todos temos nossa própria definição de conquista! E o incrível é que ao sairmos de nossas casas não temos idéia do que as horas seguintes nos reservam em seus mistérios de páginas brancas que assim como essa serão escritas.

Ele sorriu. Correspondendo o presente e a conspiração. Convidada, me apresentei àqueles olhos azuis e aos nossos gostos tão parecidos. Desapego, drinks e um brinde ao destino, acaso, sorte (a sua definição de conquista) e as nossas mãos entrelaçadas e inseparáveis por  uma longa e (infelizmente) terminável música. 

A magia parece perfeita quando a tequila faz efeito (risos!), viajamos no  mundo sem preocupações, sem medo. O que importa? Simples. Viver. No limite. Solteiros, casados, namorados, amantes, sim claro, por que não amantes? Pra mim aquela história do Lulu Santos é válida "consideramos justa toda forma de Amor!" . As consequências ficam pra quem sabe superá-las. Você só precisa aprender que erros cometidos serão nossos acertos no futuro. Ou não. 

Festas, baladas e fim de noite! Estender um novo encontro com o cara desconhecido que você já sabe o nome vale a pena? Sim e não. É parte da vida viver histórias marcantes e passageiras,  um segundo encontro poderia não ser tão "UAU" (risos!), então que tal deixar nas mãos da minha definição: Destino. O que tiver de ser, baby com certeza será, não tenha dúvidas e nem pressa.

[...]  Um barzinho, sexta a noite, depois do trabalho, dia cansativo, que tal uma Mpb lá atrás? É, o destino sabe das coisas, sabe inclusive me encontrar, puxar uma cadeira e perguntar: Você lembra de mim?

E como não lembrar daqueles olhos azuis, bom gosto musical, gentileza, inteligência e principalmente seu bom humor ao tentar soletrar meu nome. O que pedir? Nada mais, a não ser...  Hey garçom, o de sempre, duas doses do que queima por dentro e te faz perder a razão. Não, não é amor, apenas a inseparável e amiga Tequila pra brindar nossos sorrisos a favor de tudo que ainda está por vir entre o relógio e o que a vida me dá. Não quero roteiro. Improviso com aquilo que não sei. Enquanto uns dizem Eu te Amo, eu sigo apenas sabendo amar. A vida e a mim.


 "Pegue para você o que lhe pertence.
 E o que lhe pertence é tudo o que sua vida exige. 
Parece uma vida amoral. 
Mas o que é verdadeiramente imoral é desistir das oportunidades 
que a vida lhe oferece pra ser feliz" 


quinta-feira, 14 de março de 2013

Nossos Anjos

Quando de ajuda você precisar 
Dou minha vida pra lhe resgatar 
Esse é o desejo de Deus 
De hoje em diante seu anjo sou eu 
 [Anjos do Resgate]


Eles sonham nossos sonhos, espantam nossas tristezas, compartilham e vivem nossas alegrias. Os amigos são a família que Deus nos permitiu escolher e os anjos que Ele enviou pra nossa proteção. Quantos de nós já viram seu mundo desabar e um ombro amigo curar dores mesmo com o silêncio de um bom ouvinte? Quantos já chegaram em casa felizes com aquela novidade que só poderia ser compartilhada com o Melhor Amigo? Amizade. Palavra simples, com poder enorme de proporcionar sorrisos, conforto, companheirismo, fé e lágrimas de saudade. 

Felizes os que encontram amigos verdadeiros, de bom coração e que acreditam em confiança. Algumas pessoas desperdiçam esse presente de Deus e afastam aqueles que sabem o valor de uma amizade, cada um com sua atitude, cada um sofrendo sua consequência. Os amigos sopram vida, enxugam choro, dão as mãos, iluminam nosso caminho e nos presenteiam a cada dia com momentos que guardamos como as mais belas memórias. São sobre esses amigos loucos e solidários que nossos filhos ouvirão. São para os nossos filhos que ensinaremos o valor da compreensão e de um sorriso sincero. 

Ame seus amigos, seja fiél a eles, guarde seus segredos, viva o presente, relembre o passado, acolha novos, mantenha e resgate os velhos.Chore, sorria, seja confidente, ajude, abrace, ouça, aconselhe. Peça desculpas e respeite a decisão. Seus amigos tem o direito de escolha, mesmo que essa escolha não agrade você. Perdoe. Você conhece o coração do seu verdadeiro amigo. Só se sabe o valor real de uma amizade quando se supera diferenças que antes não existiam. Seja feliz e leve seus amigos com você. 

Dedico esse texto aos amigos da minha vida:

Adriana Monteiro, Ageila Soares, Aline Pinheiro, Alynne Veiga, Angêla Monteiro, Camila Araújo, Carlos Araújo, Cláudio Néder, Cláudio Rodrigues, Daiane Monteiro, Dângelo Henrique, Dheymia de Lima, Eliane Melo, Fabricio Gonçalves, Glaucia Gomes, Ianne Azevedo, Jander Maykon, Juliane Matos, Kamila Yasmin, Karen Cristina, Luciane Melo, Patrícia Lima, Raielene Gomes, Ramon Brito, Reinaldo Rodrigues, Renata Oliveira, Rúbia Prestes, Sergiane Moraes, Skimilly Balieiro, Suze Monteiro, Taiane Reis, Tane Santos, Tessa Barbosa, Thienny Leite e Wellem Botelho. 

Pierre, são 3 anos sem você, o que separa o frio do calor é a emoção de saber que vou poder te encontrar um dia. Você me deixou em menos de um segundo. Deus te guarde em luz. Hoje vou cantar La Solitudine baixinho só pra você me ouvir. Fica em Paz. Te amo. 

O amor que eu tenho por vocês é único. Obrigada por tudo. Por cada momento singular que vocês já me proporcionaram. Deus me abençoou ao enviar para minha vida anjos tão verdadeiros.



Cuide de quem corre do seu lado 
E quem te quer bem 
Essa é a coisa mais pura. 

[Charlie Brown Jr.]

segunda-feira, 4 de março de 2013

About a Girl


O relógio marca 22:45. Saudades daqui. Ando ocupada com minhas cordas vocais em silêncio, o jeito recluso, e a minha série favorita sobre Lúpus, Sarcoidose, Câncer, Doenças Auto Imunes e Punções Lombares, isso mesmo, falo de Dr. House. Um vicio constante e insano, insano porque mais do que a inteligência e os olhos azuis, admiro sua misantropia e sua sinceridade quando diz com aquele sotaque e irônia: "Everybody Lies". É House, eu concordo cegamente.

No play rola o Radiohead, estranho, eu sei, mas é que terminei de ler um livro recentemente, um Romance com uma trilha sonora incrível, algumas bandas são bem familiares, outras não, então estou atendendo algumas sugestões particulares do livro Ao Norte de Mim Mesmo. Como por exemplo, o Radiohead, tenho a discografia inteira no meu not, mas nunca me dei a chance de ouvi-la, então começei pelo álbum Ok Computer e acho, com entusiasmo, que estou no caminho certo! Pelo menos ainda não pulei nenhuma faixa. 

Tenho me permitido muitas horas desde que decidi colocar minha vida social e ativa um pouco de lado, os livros que comprei e estavam empilhados em um canto qualquer agora estão em minha mente, em minha vida. Adoro leitura e como ela me faz viajar a tantos lugares sem sair do lugar, de um vilarejo em Londres à capital do Rio Grande do Sul. Tinha esquecido dessa paixão por um longo e quase interminável inverno. Sinto que é isso aqui o que  tanto me fazia falta: O silêncio, os livros, a boa música, os diálogos com minha imaginação nada normal, nunca fui normal, mas não me preocupo em ser. Cada um nasce com um DNA exclusivo, não escondo um baita orgulho do meu, fazer o que? Me encontrei. Sabia que em algum momento voltaria, andei perdida tempo demais. 

Alguns dizem que estou depressiva, outros que virei anti-social ou até que sou sozinha agora, mas não é nada disso, é apenas cansaço do repetitivo, das festas, das mesmas pessoas, das mesmas conversas, das mesmas reclamações e nenhuma atitude, das mesmas bandas, das mesmas músicas no repertório que alguém não faz questão de modificar. Sempre me senti como aquela história do patinho feio, sabe? Estranha. Não me encaixo nas pessoas que parecem feitas das mesmas idéias, estagnadas e superficiais, ligadas a aparência e em "quem vou conquistar amanhã". Enquanto elas conversavam sobre a noite anterior e sobre quem ficou com quem eu só queria comentar sobre o livro novo do meu escritor predileto ou a nova música do Nando Reis. Ninguém dava a mínima. 

As pessoas dizem que sentem sua falta até deixar de procurar você por simplesmente você não ser o que elas querem que você seja. Eu confiei demais, eu rir demais, eu escultei todo mundo e contei no dedo quem parou pra me ouvir. Aí choraminguei uns dias, senti falta nos outros, e graças a Deus tenho uma mente decidida e com palavra! Aceito as diferenças de cada um, não discuto, não acuso, não ferro a vida de ninguém pra sentir um pouco de felicidade encomendada. Há muito optei por levar uma vida simples e sem cortes, só não tinha parado pra vivê-la, estava sempre ocupada demais. Mas existe um tempo pra tudo já diz o maior livro de todos. Este é meu tempo. São meus sonhos, minha realidade e nela há o que citei lá pelos primeiros parágrafos com mais um bônus: As viagens que faço pra rever uma grande amiga e uma banda de músicos loucos! É meu lago de Cisnes particular. Ambos falamos a mesma língua e somos todos felizes como só Cazuza sabia ser.

É nessas viagens e aqui com meu mundo a La Radiohead que sorrio como faço agora. 
Um sorriso de uma pequena com uma alma grande e feliz.
Um sorriso de uma pequena como já previa Gabito no autógrafo do meu livro. 




domingo, 10 de fevereiro de 2013

Meu Novo Namorado = Tati Bernadi

Eu decidi que tô namorando o doutor Greg House, aquele com cara de “adoro sexo mas sou arrogante demais pra fazê-lo” que passa todo dia as oito da noite no canal 43. Menos as sextas. E sábados. E domingos. Como todo péssimo namorado, ele tem mais o que fazer da vida nesses dias. Já que a vida inteira namorei rapazes que não me namoravam e fui namorada de rapazes que jamais namorei, resolvi namorar o House e fim de papo. Comprei um estoque de Vicodim e roupas novas. Tudo pensando nele.

O House pode tudo. Ele pode me dizer que meu cabelo era infinitamente melhor maior e mais claro. Ele pode me dizer que eu fico infinitamente mais bonita com uns cinco quilos a mais. Ele pode reclamar que eu cortei a malhação por de paciência. Ele pode reclamar da queda hormonal e da minha mania de viver caindo. Ele pode rir da minha vontade de escrever novela ou qualquer outra coisa popular que me encha de dinheiro para eu poder escrever livros quieta ouvindo Nina Simone, da minha mania de cantar Maroon 5 e do fato de eu escrever tudo em primeira pessoa porque, de verdade, acho um saco qualquer outra coisa do planeta que não passe aqui por dentro. E o House super passa, em meus sonhos.

Quando vai dando sete e meia da noite (ahhh, a falta do que fazer, já tem uma semana que não aparece um bom freela ou um bom sei lá o quê) tomo meu banho. Passo meus cremes. Coloco uma roupinha pra ele. Me tranco no quarto, no escuro. Vou passar os próximos sessenta minutos vendo vômitos, sangue, paradas cardíacas, berebas purulentas e a famosa “lombar punction”. Mas meu coração não entende nada como desgraça, a não ser a óbvia desgraça do amor.

Todos os dias eu acho que vou morrer. E todos os dias ele descobre mil coisas pra não deixar. Porque quase nunca se morre nas mãos dele. E todos os dias ele me magoa terrivelmente com sua amargura e inteligência. E eu deixo porque não tem nada mais sexy do que gente que te odeia. Namorar quem tá cagando pra você, então, é o auge do sexy. Por isso eu namoro o House.

Nós nunca vamos casar, ele nunca vai conhecer meus pais e eu sei que divido o seu amor com as garotas pagas. Não tem ilusão, não tem meiguices, não tem roupinha rosa com babados. É preto no branco. É sofrimento puro. É o pior namoro do mundo. Mas como diria minha mãe “quando essa menina decide uma coisa…”.

sábado, 9 de fevereiro de 2013

Walk On


And I know it aches

"How your heart it breaks
You can only take so much
Walk on! Walk on!"

[Texto Escrito ao som Walk On da Banda U2]



Clichê: Nada é por acaso, tinha que acontecer.
Fechamos olhos pra tentar tomar importantes decisões, nesse caso uma importante e difícil decisão: Perdoar. Perdão: Palavrinha que mexe e remexe e nunca vem sozinha quando precisamos. Sempre acompanhada de culpas e desculpas. Costumo dizer que a palavrinha desculpa é tão mais fácil. Usada pra qualquer ação que tenha como conseqüências mágoas e dor. Principalmente a dor. Parece mais uma fila de dominós. Se derrubarmos a primeira peça - confiança.

Não há peso e nem mais sinceridade em pedidos de desculpas. É robótico. E fácil. Fácil pra quem pede. Se compararmos as palavras Perdão e Desculpa, preciso dizer qual é a mais forte? Não use desculpas. Isso só torna tudo mais doloroso. Aprenda o significado da palavra perdão, embora muitos não saibam e não possuam essa capacidade. Talvez seja esse o motivo de tamanha dificuldade em usá-la de vez em quando. De vez em sempre Antes de um pedido de perdão coloque-se no lugar da pessoa em questão, pergunte se fosse você? Você perdoaria? Esqueceria? Seria capaz disso? E não adianta dizer que "Eu perdôo, mas não esqueço" Isso não existe!  Se você fechar os olhos e decidir que perdoará, você deverá esquecer, caso contrário, use da mesma sinceridade que teve para consigo e diga que não, no momento você não pode, não consegue. A ausência de sinceridade e presença de sarcasmo nessas horas só consegue machucar ainda mais.

E por favor, por favor não omita os fatos, não espere o tempo passar, não perca esse tempo. Segundos que se passaram jamais voltarão. Se perderes o compasso do tempo o que tiver pra ser resolvido, não será. E o silêncio não é o melhor amigo quando se trata de resolver questões que envolvam vidas e sentimentos que se colocaram à prova. Perdoar da forma que tem que ser não é pra qualquer um, muito menos pra todos. Se você não consegue perdoar, use como pedido de perdão a sua sinceridade. Ela vale muito.

Por aprender/entender o grande e difícil significado do perdão: Não consigo pedir desculpas, mas desculpo porque não esqueço. Eu definitivamente não sei perdoar.  Mas sei ser sincera. Com os outros e comigo mesma.




Meu eterno professor e amigo Fagner Freitas:
Obrigada por trazer minha inspiração.
E um obrigada por fazer com que eu deixe minha total sinceridade nesse texto cujo tema envolvido foi sugerido por você