A Lunática

Minha foto
Belém, Pará, Brazil
Nutricionista. Canta por aí. Escreve sobre o que vë, ouve e imagina. Ela é aquariana, rapaz uma eterna colecionadoras de momentos e de pessoas. Inconstante e com uma personalidade gigante assim como o mar. A diferença é que ela vai, mas não volta.

quarta-feira, 21 de agosto de 2013

O Tempo Para o Amor


Ele tem passos destinados ao outro lado que se movem urgentemente. Sem pressa. Possui olhos sinceros que enxergam através das constantes negações. Dono de um sorriso com malicia, intimidante e confiante. Seu toque superficial desperta calafrios por toda a pele possuindo total descompromisso na ponta dos dedos. 

 Ela caminha para a direção exata, mas o destino dos seus passos brinca de ir e vir sempre que se sente ameaçado por sentimentos incertos. Com pressa. Possui os mais gentis olhos que escondem sinceridade através de ensaiadas negações. Dona de um sorriso inseguro, mas firme, transparente em desinteresse testado pelo reflexo de si por vezes incontáveis. Seus poucos toques possuem toda força de sua vontade e desejo de despertar o que é despertado em sua própria pele. 

Eles observados dessa distância jogam atraentemente as cartas que dependem do tempo, porém nesse jogo insano e divertido não há perdas. Apenas regras. Feitas e supervionadas pelo bondoso Tempo que se responsabiliza de testar os passos, os olhares, os sorrisos e os toques quantas vezes forem necessárias em encontros, desencontros e reencontros até que eles se rendam e se entreguem a esse sentimento contraditório e fascinante. 

O tempo brinca de levar e devolver quem amamos, com toda paciência se faz necessário pra superarmos, esquecermos e recomeçarmos. Em um tempo ele proporcionou o encontro desses dois corações, com o tempo ele os afastou, agora talvez seja o tempo de decisão. Ou não. O tempo faz as regras e sabe como ninguém unir vidas. Para esses dois há apenas uma única certeza: O tempo é e sempre será o senhor de seus destinos.

segunda-feira, 19 de agosto de 2013

528 Dias com Ele

"Qualquer semelhança com pessoas vivas ou mortas é mera coincidência … Especialmente você, S. R."


Esse texto não é sobre um romance.

25 Segundos podem modificar toda sua vida, certo Gabito?
E em alguns casos nem precisa do The Smiths pra fazer acontecer o momento da ruína de pelo menos cinco anos de sua existência, certo de novo? Nessa hora todo mundo pode fechar os olhos e tentar relembrar os 25 segundos que passaram quando vocês conheceram "o cara da sua vida". Cada um tem sua história, seja um tropeço casual, alguém sentando do seu lado em um banco da praça, em um ônibus, pode ser também um encontro destinado na fila de um show, no supermercado, aqueles 25 segundos que você olha o vocalista da banda que por casualidade você nem queria assistir, ou um simples aperto de mão com a frase: Prazer em conhecê-la.

É, pelo visto não sou a única, 25 segundos por 528 dias divididos em felicidade, alegria, tristeza, raiva, felicidade de novo, diferenças, raiva, alegria, choro e fim. Fim? Nada provado. O fato é que enquanto alguns acreditam em coincidências e outros em destino, eu apenas sei  que temos que estar no lugar certo, na hora certa, com olhos abertos e sentidos aguçados, não sei bem como definir esse momento, mas acredito nele, e em como ele exerce um poder sobre você e suas decisões.

Seus 25 segundos podem dar certo. Ou não. Se der certo, parabéns e dica: Faça o mundo conhecer sua história! Porém, se não der certo ou não está dando certo, faça como Tom Hansen sofra o que tem pra sofrer, afunde, chore, escute músicas como Shes Like the Wind do Patrick Swayze ou I Have Nothin da Whitney Houston (não que eu tenha feito isso), grite dentro de um ônibus, ou em uma festa lotada e então, só então, volte pra sua vida. Acorde, retome seus sonhos, trace planos, alcance-os e abra os olhos mais uma vez, de repente existe alguém que você apenas ainda não viu.

E viva seus 25 segundos mais uma vez.
O Tempo é infinito, você sempre terá uma nova chance!

Rachel - Hei Tom, escuta, eu sei que você acha que ela era especial, mas eu não acho. Eu acho que tá só lembrando das coisas boas. E da próxima vez que olhar para trás eu acho que devia olhar direito.

Summer - Eu não acredito em amor. 
Tom - Porque não? 
Summer - Porque ele não existe! 
Tom - Como sabe que ele não existe? 
Summer - Como sabe se ele existe?
 Tom - Vai saber quando sentir.

sábado, 17 de agosto de 2013

Caras como Eles

Uma Homenagem ao escritor Gabito Nunes
e a banda Los Hermanos


A combinação de Los Hermanos e Gabito me permite sentir a felicidade através de artes simples e inexplicáveis. 

 Gabito escreve minha alma em linhas cada vez mais devoráveis toda vez que surge um novo texto! De onde vem a calma? De onde surge a inspiração? Parece que ele acompanha minhas tristezas, alegrias, fúrias e surtos mais perto de mim do que eu mesma me permito estar. Gabito arquiteta meus sonhos mais divertidos, mais loucos, mais impossíveis e melancólicos. Neles sorrio, pulo, torço e choro, tudo ao mesmo tempo! Incrível sensação de se prender em [nas] palavras! Me diga! Quem nunca sonhou em ser a Juliete? Quem nunca imaginou conhecer um confuso e romântico-não-declarado Santiago? Gabito faz isso! Faz a gente se perder em devaneios enquanto caminhamos perdidamente pela leitura fascinante de seus textos. Fragmentos identificáveis que gostaríamos de falar, gritar, berrar, sussurrar cheios de vivacidade e timidez. É fácil de responder quando aos 50 anos me perguntarem qual o Escritor que fez toda a diferença pra mim? - Aquele minha cara, que ensinou que não importa o que aconteça. O amanhã seguinte sempre chega!

Pra nós todo amor do mundo! Pra eles o outro lado. E o Los Hermanos vira, revira as minhas mudanças de humor. Pra cada toque do destino uma música. Entre A Outra, Morena, O Vento, Tá Bom, A Flor, Cara Estranho e a clássica Sentimental eu embarco de corpo e alma. Fecho os olhos e ali estou mais uma vez, não escrita, mas cantada. Esperando por um Último Romance ao lado da voz singular do Camelo que me pergunta repetidamente "Quem é mais sentimental que eu?" - Não sei Camelo, não sei...  Mas me conceda esse espaço entre o jornal e a fila do pão só pra que todo mundo saiba que eu definitivamente te encontrei! E é estendendo os braços pro futuro que esqueço minhas emoções negativas. É aqui com toda essa gente me olhando, minhas pernas tremendo e a voz embargando que canto bem alto o que você me falou: "Você me falou pr'eu não me preocupar! Ter fé e ver coragem no amor!" E pode apostar! Do nosso amor a gente é que sabe, pequeno.

Se chover demais...
Pode deixar a gente vai saber e sorrir só de encontrar o que já faz parte de nós.
Como fiz quando ouvi Los Hermanos e li os textos de Gabito pela primeira vez.

sexta-feira, 16 de agosto de 2013

Give Me Love


Talvez eu deveria deixar você ir 
Você sabe que vou lutar pelo meu canto
 E que talvez te ligue hoje a noite 
Depois que meu sangue estiver se afogando em álcool.



terça-feira, 13 de agosto de 2013

E aí Tempo?

O silêncio me falou 
Deste tempo que passou. 


De repente me pergunto se ele está ajudando ou se anda me sabotando? "Dê tempo ao tempo", "o tempo se encarregará", "o tempo cura tudo", "o tempo tudo leva", " o tempo é o mestre de tudo". E aí tempo? Cadê o sol? Eu vou reparar? Porque sinto passar, mas ainda continuo aqui, com esse sentimento me ocupando 24hs me deixando sem tempo pra tentar esquecer ou pra começar a esquecer. E as promessas de cura? De ajuda? Quando você vai levá-lo? Voltar no tempo é regra proibida? Penso que sim. 

Quanto tempo leva pra vida girar? Quem foi voltará, quem está aqui irá e outros chegarão? Seja o senhor do destino, tempo. E leve. Silenciosamente. Só não me peça pra conviver com o agora, cada hora, minuto, e segundo é de espera,  É  na espera onde mora meu total descontrole. 

E aí tempo? Pode resolver? Na hora de me apresentá-lo você trabalhou muito bem, não foi? Com dia certo, hora marcada e lugar exato. Só que como posso dizer? Não funcionou muito bem. Talvez foram minhas escolhas, minha idealização, nem sequer mergulhei, já fui me afundando mesmo. Ele não ficou. Foi isso tempo? Esse era o seu plano brilhante? Que impressionante!

Meu relógio marca 17:44, pode começar a trabalhar, e não quero promessas, sei que não é fácil e nunca será, até porque se fosse tudo fácil eu mesma mandaria a saudade embora e apagaria as lembranças,  mas minhas habilidades humana de esquecimento não funcionam muito bem até onde sei. E fique a vontade pra se sentir culpado, você o trouxe, rabiscou minha memória, me deu o sofrimento de bônus e a espera como punição. Me recuso a ajudá-lo. 

Faça sua parte que serei feliz quando nada dele restar em mim. 
É o minimo que você pode fazer por sua audácia em se comportar como um ser de asas e flecha na mão.

domingo, 4 de agosto de 2013

Caso Indefinido

Eu seriamente disse e vi você ir embora com seu típico "Tudo Bem".
Mas você apesar das minhas insolências, voltou.


Eu sempre fico meio bamba quando tento entender você. Às vezes é simples. Até pra mim, sabe? Não exijo nada, mas conscientemente desejo você no meio das minhas coisas, da minha vida, espalhado por todos os lugares até que isso possa não dar certo. Você pode vir, ir, vir, ir... Eu espero pra sorrir contigo e lembrar que já se passou um ano desde que você atravessou aquela porta e me estendeu a mão. 

Cada vez que te vejo é diferente, dessa vez além de apenas ver, surpreendentemente pude sentir, cada toque acalmou meu coração, acalmou a ansiedade, então tudo estava em paz. Foi a primeira vez que definitivamente entramos em sintonia. Você me presenteou com a órbita e permaneci lá nos dois dias seguintes, mas a vida ou você precisava mostrar a realidade dos fatos ou a verdade qualquer que cerca nosso contato restrito. A magia nos deixou?

Como pode alguém dar a felicidade perfeita e depois a tristeza? Como pode alguém  dar a atenção e a compreensão e depois a indiferença indesculpável? Você pôde. Você sabe o que quer, não possui timidez e nenhuma palavra cortante parece atingir esse seu ego. Você simplesmente não tem medo de voltar. Como pode alguém sentir orgulho do prazer e depois vergonha? Como pode alguém sentir que é tão importante e única e depois apenas mais uma? Eu pude. Mentalmente decidi minha renúncia e dei permissão pra sentir dor.

Somos marcados, eu bem sei. Não estou pronta pra curar a dor de ninguém, não suporto conviver nem com as fotos e minhas lembranças, como posso ser um alicerce? Esse medo fixa minhas ações no chão. Preciso dos outros constantemente, talvez quase sempre pra conseguir mover meus pés em sua direção.  Teríamos que ser apenas presente, quem sabe assim conseguíssemos, mas quem somos afinal sem o passado? Cada olhar seu no terceiro dia me destruiu. Você se foi mais uma vez.

E eu não estou pronta pra pedir que fique. Em um ano nunca fomos tão longe, talvez esse tenha sido o nosso fim. Tenho que reconhecer, foi um fim digno: Amar você por uma única noite foi tudo que consegui fazer por nós dois. Já não me resta forças pra lutar por quem não consegue se doar na mesma medida. É inútil desejar qualquer coisa que seja com você.