A Lunática

Minha foto
Belém, Pará, Brazil
Nutricionista. Canta por aí. Escreve sobre o que vë, ouve e imagina. Ela é aquariana, rapaz uma eterna colecionadoras de momentos e de pessoas. Inconstante e com uma personalidade gigante assim como o mar. A diferença é que ela vai, mas não volta.

domingo, 27 de janeiro de 2013

Luto - RS por Fabrício Carpintejar

A MAIOR TRAGÉDIA DE NOSSAS VIDAS!



Morri em Santa Maria hoje. Quem não morreu?
Morri na Rua dos Andradas, 1925.
Numa ladeira encrespada de fumaça.

A fumaça nunca foi tão negra no Rio Grande do Sul.
Nunca uma nuvem foi tão nefasta.
Nem as tempestades mais mórbidas e elétricas desejam sua companhia.
Seguirá sozinha, avulsa, página arrancada de um mapa.
A fumaça corrompeu o céu para sempre.
O azul é cinza, anoitecemos em 27 de janeiro de 2013.
As chamas se acalmaram às 5h30, mas a morte nunca mais será controlada.

Morri porque tenho uma filha adolescente que demora a voltar para casa.
Morri porque já entrei em uma boate pensando como sairia dali em caso de incêndio.
Morri porque prefiro ficar perto do palco para ouvir melhor a banda.
Morri porque já confundi a porta de banheiro com a de emergência.
Morri porque jamais o fogo pede desculpas quando passa.
Morri porque já fui de algum jeito todos que morreram.
Morri sufocado de tanta morte; como acordar de novo?

O prédio não aterrissou da manhã, como um avião desgovernado na pista.
A saída era uma só e o medo vinha de todos os lados.
Os adolescentes não vão acordar na hora do almoço.

Não vão se lembrar de nada ou entender como se distanciaram de repente do futuro.

Mais de duzentos e cinquenta jovens sem o último beijo da mãe, do pai, dos irmãos.
Os telefones ainda tocam no peito das vítimas estendidas no Ginásio Municipal.
As famílias ainda procuram suas crianças.
As crianças universitárias estão eternamente no silencioso.
Ninguém tem coragem de atender e avisar o que aconteceu.

As palavras perderam o sentido.



Fabrício Carpinejar

quarta-feira, 23 de janeiro de 2013

Morada

Letra e Música - Forfun

Morada by Forfun on Grooveshark

Faço de mim casa de sentimentos bons
Onde a má fé não faz morada e a maldade não se cria
Me cerco de boas intençõese amigos de nobres corações
Que sopram e abrem portões  com chave que não se copia

Observo a mim mesmo em silêncio porque é nele onde mais e melhor se diz
Me ensino a ser mais tolerante, não julgar ninguém e com isso ser mais feliz

Sendo aquele que sempre traz amor
Sendo aquele que sempre traz sorrisos
E permanecendo tranqüilo onde for
Paciente, confiante, intuitivo

Faço de mim parte do segredo do universo
Junto a todas as outras coisas às quais admiro e converso

Preencho meu peito com luz
Alimento o corpo e a alma

Percebo que no não possuir encontram-se a paz e a calma
E sigo por aí viajante, habitante de um lar sem muros
O passado eu deixei nesse instante e com ele meus planos futuros
Pra seguir


Sendo aquele que sempre traz amor
Sendo aquele que sempre traz sorrisos
E permanecendo tranqüilo onde for
Paciente, confiante, intuitivo


terça-feira, 22 de janeiro de 2013

Jogo. Do Amor?

Sendo vencida pela realidade. É como naquela brincadeira "Queda de Braço". O Medo usa toda sua força de um lado e a Coragem igualmente do outro. A coragem fecha os olhos por saber que irá perder, mas nessa brincadeira não há regras, observando de perto ela não fecha os olhos admitindo derrota, fecha os olhos apenas pra pedir reforço a Realidade.

Não há truques, nem disfarces, nem teatro, não há nada que engane, não há enganos aqui. A realidade esclarece dúvidas e joga os sentimentos na  mesa como cartas desembaralhadas, então junta-se com a coragem pra lutar novamente, não com medo, esse já foi vencido, agora o confronto é entre a realidade e o admitir. E admitir sentimentos tem seu preço, sua consequência, além disso, é quase raro um final feliz pra um sentimento unilateral. Mas está aqui, em algum lugar. Na saudade. Sendo ela verdadeira ou  não. Sendo ela admitida ou não. Sendo ela ensaiada ou não. O outro lado teima em aparecer, devagar, quase como uma confusão sobre o que quer e o que não pode. 

Então aceito ser vencida pela realidade. Mas nunca pelo admitir. A realidade vence e eu pego as cartas. O admitir não, jamais darei trunfos tão facilmente. Aceito a realidade. Ela é tão honesta que espelha a brincadeira. E o que vejo no reflexo? É apenas você e eu. Empatados nesse jogo. Pelo visto ninguém vai ceder.




domingo, 20 de janeiro de 2013

Desapareci


Quando houve reencontro eu acreditei que você não esqueceria meu nome.
Eu, menina de Aquário tão expressiva e livre, mal consegui encará-lo. Não sei mentir. Não sei fingir. Não sei esconder mágoas. Não sei me esconder. De tanto querer me fazer presente, de tanto não querer perder o contato, fui me acostumando com as ligações, as conversas e os conselhos. De repente, no momento mais importante e feliz da sua vida, você me privou de poder compartilhar da sua felicidade. Não soube o que dizer. E ainda não sei. Não era necessário preparações, não era necessário nada disso. Não quando se pode contar com um sorriso de uma amizade verdadeira. A omissão doeu. Os esquivamentos e o silêncio mancharam certas coisas. E eu desde então só quis distância. Não por não entender sua nova vida ou nova fase, mas por não entender você e sua decisão de não me contar. A distância pra mim é o suficiente pra não ouvir nada. Não quero ser fria, mas isso é a única coisa que conseguirei ser. Me desculpe, é muito cedo pra atender qualquer telefonema seu solicitando uma conversa tarde demais.





segunda-feira, 14 de janeiro de 2013

Uma História pra Contar | Meu Depoimento |





Em abril de 2007, quando eu tinha 17 anos recebi a noticia que nunca achei que receberia. Fui diagnosticada com Linfoma de Hodking Estágio II. Com 17 anos eu estava cursando o segundo período de Nutrição, animada por ter entrado na faculdade com 16, com expectativas de concluir com 20 anos. Com 17 anos saia com os amigos e curtia minha beleza juvenil. Depois de 2007, minha vida e minha personalidade jamais seriam as mesmas. 

Largar tudo e começar um tratamento longe da minha cidade não era uma decisão fácil. Apesar da revolta com Deus e com todo mundo e de dizer que não faria o tratamento, abandonei tudo e fui. Foram 8 meses de tratamento, sendo 7 de quimioterapia e 1 de radioterapia. Quimioterapia, palavra que dá cala frios e medo em qualquer pessoa. E não é por menos, nunca tive uma sessão sem sofrer as reações enquanto tomava a medicação, cada sessão era um sofrimento que nunca pensei que enfrentaria.  A quimioterapia era cansativa.  E no dia seguinte os cabelos estavam no travesseiro apenas pra me lembrar que o que enfrentava era real. E enquanto os cabelos caiam minha vaidade ia embora. Primeiro o cabelo, depois meu peso foi diminuindo cada vez mais. Era quase impossível me fazer me olhar no espelho.

Os primeiros meses foram terrivelmente difíceis, mas depois fui me acostumando a rotina hospitalar, as pessoas, os médicos e enfermeiros. Fiz amizades incríveis e encontrei uma segunda família, o que pra mim foi de imensa importância já que o tratamento era em outra cidade longe da minha casa, quem me acompanhou durante todo esse tempo foi minha vó. Minha mãe e minha irmã tinham que trabalhar pra enviar o dinheiro com o qual me mantinha lá. E quando pensei que voltaria pra casa tive que enfrentar a radioterapia, Com o corpo todo marcado tinha que pegar 2 ônibus de madrugada pra chegar ao hospital as 7:00. Nenhuma parte do tratamento foi fácil. Não é todo parente que hospeda de bom grado em sua casa alguém doente. Mas graças a Deus, a uma tia e um tio muito queridos eu venci o tempo. 

O Câncer me ensinou os maiores valores da vida: A fé, que achei que tinha perdido, mas que reencontrei ao longo desse caminho; A família, que apesar de longe estiveram ao meu lado e os Amigos, poucos ficaram, mas os que ficaram me deram força e carinho todos os dias. Quando acabou e voltei pra casa tudo havia mudado, tudo em mim era diferente: o olhar, os gestos, o pensamento, a forma de ver o próximo, até a forma de ver minha própria vaidade. Os meus valores eram totalmente diferentes. E hoje ainda são. Ver e ouvir relatos de tantas pessoas, de pessoas desenganadas, de mães com medo de perder seus filhos, filhos com medo de perder seus pais. São relatos de pessoas que te fazem sentir na pele a dor que eles carregam consigo. 

Quando olho pra trás me sinto tão forte. Tão viva. Tenho orgulho dos valores que conquistei e dos quais abandonei. Tenho orgulho de ter tido Câncer. Aprendi com o tempo que Deus não podia nos dar maiores provas do que o Amor e a Fé que Ele tem em nós. Costumo dizer que não há nada que eu não possa enfrentar hoje. Conheci o sofrimento de uma doença tão desesperadora. E essa doença me fez ser quem sou hoje. 

Tenho 23 anos e há 5 estou curada. Retornei pra Faculdade de Nutrição, curso o 7º Período e escolhi a pós graduação em Oncologia. São pra esses pacientes que quero dedicar minha vida e meu trabalho.


O Câncer pode ser encarado de duas formas: Uma doença a qual você não quer lutar contra e que pode acabar com sua força e sua fé ou uma Doença que pode te ensinar valores inigualáveis, que pode te transformar em alguém com a maior força e a maior fé que já existiu. Uma pessoa capaz de amar, de amar tanto o próximo e as pessoas ao seu redor. Uma pessoa que ama tanto a vida e a Deus que aceita de olhos fechados todos os desafios que ainda virão, pois sabe que com força, fé e amor pode superar qualquer dificuldade. 

É só abrir os braços e Deus estará pronto pra te pegar e suspender em um abraço forte. E com Ele você pode caminhar tranquilamente mesmo estando em meio tempestades e águas turbulentas  Você superará e sorrirá. E esse será o sorriso mais lindo que você já deu.





E esse é meu depoimento pro Site Nutrição em Oncologia 
Dheysse Araújo de Lima

quinta-feira, 10 de janeiro de 2013

Sobre Eles Dois | Se isso não é amor, eu não sei o que é


Ele queria consertar, lutou, insistiu, chegou até a procura-la, tentou fazer tudo diferente... Teve noites que ficou sem dormir pensando em como reaver o erro, tentou de todas as formas e ela disse que queria um tempo, um momento pra pensar e ponderar as situações... Queria ver se ele realmente estava decidido a mudar e fazer tudo diferente. 

Os dias foram passando, ele muito apreensivo olhava no telefone toda hora imaginando que algum sms chegaria ou que até mesmo ela ligaria dizendo: "Amor, pensei em nós dois". Tive a conclusão que preciso acreditar e mais uma vez tentar dar uma chance e continuar a nossa história que mesmo com muitos atropelos é a mais linda que já vivi. 

Mas nada. Ela ainda não havia se decidido. 

Passou-se os dias, ele começou a acostumar -se com a rotina noturna sem ela por perto; vez ou outra ele pagava-se imaginando de que foi por muito pouco que ele não fez ela a mulher mais feliz do mundo, pois ele tinha ido falar com ela e dessa vez ele tinha ido com toda honestidade e singeleza de coração, mas infelizmente a dor que ele causou a ela foi tao grande que ela levou muito tempo pensando e fez com que ele se acostumasse a viver sem ela. 

Infelizmente, o tempo leva embora o AMOR, leva sim, tenha certeza disso. O que fica de um grande amor é apenas boas lembranças e nas lembranças de um grande amor até os maus momentos tornam-se boas lembranças, mas somente, infelizmente é só o que fica de um grande amor. 

O tempo leva e apaga. Apaga como o vento apaga uma pegada na areia, apaga e não traz de volta nunca mais!!! Ele tocou a vida dele adiante. Ela também. Ambos encontraram novos amores, mas ficou marcado na memoria dos dois momentos que nem mesmo o tempo foi capaz de apagar!!! 




Texto Original de Alexson Assis

Obrigada pela confiança!
Um dos textos mais verdadeiros que já li.
Fiquei imensamente feliz por receber um sim ao meu pedido 
de publicá-lo no Jeito Lunático.

quarta-feira, 2 de janeiro de 2013

Livros de Gessinger

Mais um desejo pra 2013? Que Humberto Gessinger publique um novo livro. É sempre prazeroso compartilhar de suas linhas e pensamentos. Mas enquanto um lançamento não chega, recomendo seus três livros para uma fascinante leitura. Abaixo alguns de meus trechos favoritos.

Ciúmes dos meus livros Gessingerianos. Tesouro pra toda uma vida.

( * ) Felicidade é como um preparo físico: dá pra melhorar ou piorar um poco, mas sempre há limites... não sou hedonista, as coisas que mais me deixam felizes são corriqueiras e sem importância... uma rajada de vento, por exemplo. O mundo anda estranho... melhor aprender a lidar com a velocidade. Tecnologia não é boa, nem má. Depende do uso.

| Pra Ser Sincero: 123 Variações sobre um mesmo tema   |


( * ) Tá vendo? Já passou. O ponteiro voltará sempre ao mesmo número, mas a hora sempre será outra. No céu, lua e sol se revezando. AM/PM/AM/PM... Pode até ser a mesma hora, mas de um outro dia. Um relógio parado acerta a hora pelo menos duas vezes ao dia. Assim como a gente pode parecer inteligente e bem informado ficando calado.

( * ) Falar do passado e do futuro é a melhor forma de descrever o  presente.

| Mapas do Acaso |


( * ) A gente faz as contas, projeta uma vida na outra, tenta se enxergar como se fosse outra pessoa... a gente busca espelhos por que viver é solitário. Busca simetrias porque a vida é torta. A simetria acalma. Talvez acalme por que nós mesmos somos simétricos. Uma linha imaginária, dos pés à cabeça, nos divide em duas partes iguais. Buscamos o que já somos? Será? Esquecemos que esta simetria nunca é perfeita. Para o bom observador, sempre haverá uma perna mais curta, um olho mais caído, uma narina mais aberta... 


|  Nas Entrelinhas do Horizonte |



Todas as citações são de autoria de Humberto Gessinger.
Você também pode acompanhar seus escritos no  Blog Poemas com Notas de Rodapé.
Boa leitura!


terça-feira, 1 de janeiro de 2013

Feliz 2013! Mágica das Palavras.

Minha Agenda 2013
Presente que ganhei da minha Mana Dheymia de Lima.

E lá vamos nós! Mais um ano, mais 365 dias. Hora de começar a escrever essa manuscrito o qual todo fim de ano é checado, analisado, corrigido e enfim publicado. Ter um Diário há tantos anos tem uma vantagem: Poder reler o passado com precisão.  Parece que estamos revivendo aquele ano mais uma vez, suas alegrias, tristezas, até os momentos de adrenalina pura (risos!). Tenho a mania de ao fim de todo mês anotar uma Playlist das músicas que ouço durante o ano e é comicamente curioso saber o que eu ouvia em sei lá, 2009. Clichê, mas é isso mesmo, todo ano é sempre novidade. Me desperta fascinação não saber o que acontecerá amanhã e quando chega o fim dos 365 dias ter as páginas da minha vida escritas a mão. É a mágica das palavras! Escolhi fantasiá-las e colecioná-las.

E a minha lista de desejos/objetivos/vontades? Ter metas e sonhos nunca são demais mesmo que não consigamos realizá-los. Hoje, dia 1º de Janeiro, dia de planejar, de pensar em como queremos viver, 2013 seja bem vindo, pra você um Olá. Seja bom. Seja tudo que 2012 não foi e um pouco mais (risos!). Não vou esconder meu medo e minha ansiedade, esse ano é ano de decisões. Confio em Deus, Ele me dá 1001 motivos pra acordar toda manhã e lutar por minha felicidade. Choramos e sorrimos, mas a vida é isso não? Acredite, porque é nisso que eu acredito todos os dias: Su-pe-ra-ção.  Amor perdido, emprego perdidos, sonhos que abandonamos no meio do caminho por não serem mais nossas prioridades, então começamos tudo de novo e o que é isso? Superação! E não há sensação melhor do que aquela quando vencemos o que achávamos que não conseguiríamos. 2013 pra você um sorriso! :)



Essa é minha lista de desejos/objetivos/vontades pra você querido 365 dias. Favor considerar com atenção e seriedade total. Brincadeira, nada de seriedade. Mas favor não desconsiderar a atenção (risos!).

1. Estágios do 7º e 8º período em Nutrição sejam concluídos com êxitos e com notas acima de 8,0;
2. Que em meu TCC eu consiga abordar a Nutrição em Oncologia e consiga com isso  realizar uma boa apresentação;
3. Dosar as palavras quando eu estiver chateada, que eu pense mais e que eu pese mais as consequências de todos os meus atos, pois na maioria das vezes eles envolvem outras pessoas além de mim; 
4. Manter os meus amigos que um dia foram muitos, mas que hoje são poucos, que esses poucos sejam verdadeiros e que os verdadeiros permaneçam em minha vida;
5. Rever mais minha irmã este ano, que seja o ano em que eu vá visitá-la e não o contrário;
6. Gostaria de rever ou receber notícias de alguém muito especial;
7. Contribuir para o sucesso da parceria entre esse Blog Jeito Lunático com a Design A3. Torço imensamente por minhas amigas dessa empresa!
8. Mais músicas, mais filmes, mais livros, todo ano conheço algo novo nessas categorias e que esse não seja diferente. 2012 me trouxe especialmente a paixão pela música do Maroon 5 e pelos livros do Jack Kerouac. Que haja novidades para meu conhecimento!
9. Saúde pra minha família. O resto vem com luta, esforço e dignidade;
10. Viajar. Conhecer novos lugares e horizontes;
11. Mais um livro do Gabito Nunes e do Gessinger;
12. Ir a quantos shows de Rock eu puder e depois fazer uma lista de todas as bandas que assistir durante o ano de 2013;
13. Fé, hoje, amanhã e sempre. Que ela esteja comigo quando eu estiver mais uma vez indo ao Cecon de cabeça erguida. Ter boas noticias!
14. Não deixar que os estágios me afaste daquilo que gosto de fazer, que eu consiga conciliar meu tempo;
15. Manter minha vontade da escrita sempre comigo, pois essa é e sempre será minha verdadeira paixão;
16. Superar tristezas, falsidades, mentira e deslealdade. Deixar quem não me acrescenta nada pra trás sem pensar duas vezes;
17. Sei que sou fria, espero dosar e dar mais importância ao que me propõe felicidade;
18. Não criar expectativa alguma para meu aniversário, vai ser uma data bem difícil esse ano;
19. Viver intensamente as oportunidades para cometer loucuras (saudáveis), afinal é meu último ano na Universidade;
20. Ser Feliz. Prioridade. Sorrir. E cantar muito. Música: Minha eterna companheira.


That will soon be memory!
Daylight - Maroon 5


Feliz 2013!
Aos meus amigos
e Leitores.