A Lunática

Minha foto
Belém, Pará, Brazil
Nutricionista. Canta por aí. Escreve sobre o que vë, ouve e imagina. Ela é aquariana, rapaz uma eterna colecionadoras de momentos e de pessoas. Inconstante e com uma personalidade gigante assim como o mar. A diferença é que ela vai, mas não volta.

segunda-feira, 27 de março de 2017

Uma Homenagem de Todas Nós






Uma homenagem de todas nós: Maria Lúcia, Clarisse, Leila, Mônica, Fátima, Natália, Mariane... Raiane e Dheysse.

Me apaixonei por ele muito cedo, foi amor à primeira vista, tempos de escola. Um amigo nos apresentou, me recordo como se fosse hoje. Aos poucos fomos nos aproximando e tudo o que ele dizia parecia fazer tanto sentido, eu como toda adolescente revoltada não tinha uma boa relação familiar e ele sempre me dizia que eu também não entendia meus pais, afinal eles eram apenas crianças como eu. Pela primeira vez comecei a perceber que eles tivessem razão. 

Comecei a compreender naquele momento o porquê nunca gostei de ouvir as músicas que minhas amigas adoravam e que pra mim não representavam nada. Eu estava esperando por ele, meu primeiro amor. Tudo começou a fazer sentido, uma explosão de sentimentos que estavam surgindo e eu nunca entendia nada. Era choro, era alegria, era saudade, era desilusão. Tudo na vida de um adolescente ganha proporções planetares e na minha então, que sempre fui muito emotiva, parecia o final dos tempos, sempre querendo provar pra todo mundo que eu não precisava provar nada pra ninguém, mas ele estava lá. Tinha uma canção pra cada momento, as letras me entendiam e sua música tocava minha alma. Após uma noite de choro e lamentações, no dia seguinte, quando o sol batia na janela do meu quarto eu então estava bem, pronta pra recomeçar. 

Fui crescendo e amadurecendo e ele sempre presente. Ele me ensinou que todos temos nosso próprio tempo. Alguns falam que é exagero, porém são 16 anos de um amor incondicional, sem cobranças, sem culpas, sem arrependimentos. Anos de aprendizado. Quem me conhece sabe o tanto que amo música, o tanto que é libertador para mim e tenho plena certeza que minha vida não seria a mesma se eu não tivesse conhecido Renato Russo e apesar de não ter conseguido meu equilíbrio - pois insisto em cortejar a insanidade - parte do que sou hoje eu devo a ele, és parte ainda do que me faz forte. Só quero dizer muito obrigada por tudo que me ensinou. EU TE AMO e essa é minha singela homenagem. Parabéns onde quer que você esteja.

Strawberry fields forever...

... E realmente a tempestade é da cor dos teus olhos castanhos.

Texto escrito por Raiane Gomes





segunda-feira, 13 de março de 2017

Persuasão



Ainda que fosse imaginado não seria tão perfeito. Tem graça nos seus modos, distinção do que é certo e errado, posso dizer que há sensatez em suas palavras e racionalidade em tudo o que gira em torno do seu próximo passo, a meu ver não há nele traços de inverdades, ele é real demais, astuto e encantador. Faria mais elogios se me permitisse, é claro que sobretudo há modéstia de que nada mais deva ser acrescentado. No entanto, minha atenção é requisitada quando faz de sua conversa a mais interessante, o tempo não pára o que apenas aumenta a vontade de nos perdermos em horas de curiosidade mútua. Ele me faz querer mais. Mais do momento. Mais do que pensamentos. Mais das reações que os efeitos dos nossos pequenos toques são capazes de nos fazer sentir. Eu decido fazê-lo querer pedir por mais. 

Como se ela usasse linhas de conexão. Não consigo ficar longe, não consigo pensar em mais nada que não seja o jeito despreocupado ou a forma como ela sorrir e encara a vida. Não se importa com olhares alheios, com julgamentos do certo e errado, tem certeza das sensações que deseja, tem uma sede insaciável por tudo que ainda não viveu. Há malícia em suas atitudes, ainda que irracional sabe bem o que fazer e com isso me desperta um interesse inevitável. Não há dúvidas no modo em que se define: é determinada, confiante e fascinante. Ela me deixa sempre com a curiosidade do que esperar no dia seguinte. Eu só posso pedir por mais. Mais do que sinto quando trocamos toques. Mais do instante em que permaneço ao seu lado. Mais dela e de tudo o que sei que podemos ser e fazer juntos. 

Tão transparente e seguro. Ele me faz querer ficar onde eu quase não fico. Não sei construir morada, me faço de areia e escorrego entre os dedos. Minha certeza é nunca permanecer. Sou os passos antes do amanhecer. Mas ele? Ele tem fé que no dia seguinte eu esteja ao seu lado, pois é audacioso pra acreditar que pode me apresentar a vida que ainda não vivi. É difícil raciocinar quando seus olhos não expressam confusão, equívoco, quiçá ambiguidade de intenções. Ele é firme, pelo que constato já se adiantou em pesar os prós da conquista e os contra do passado sobre qual desvio constatemente com bom humor dos seus questionamentos disfarçados de total desinteresse. Isso sempre me faz rir e ponderar a ideia de que a admiração e sem dúvida a paixão que nutro por ele possam ser fortes o suficiente para deixá-lo me fazer feliz. 

Incrível como ás 6 horas do dia errado ela já não está ao meu lado. Leva nos passos todas as memórias. Não restam nenhum dos seus pertences pelo chão. Eu sorrio. Não há nada que me faça desistir de vê-la acordar em meus braços e não tenho pressa alguma. Quando os sentimentos dela se tornarem fortes o suficiente serei eu a lhe apresentar o mundo de sensações que ela nunca conheceu entre o amor, a felicidade e o prazer. Enquanto isso sigo pensando o quanto mais quero desvendá-la, decifrá-la, conhecê-la mesmo que ela se apresente indisposta. Ela não fala sobre o passado. Nunca. Entretanto, não impede minhas perguntas, ouve com bom humor minhas falhas tentativas de saber se sempre foi feliz com tanta tenacidade. Na verdade, não importa que não tenha sido e sim que ela continue sendo o que é menos do que será quando me deixar fazê-la feliz. Indubitavelmente e ardentemente.