A Lunática

Minha foto
Belém, Pará, Brazil
Nutricionista. Canta por aí. Escreve sobre o que vë, ouve e imagina. Ela é aquariana, rapaz uma eterna colecionadoras de momentos e de pessoas. Inconstante e com uma personalidade gigante assim como o mar. A diferença é que ela vai, mas não volta.

segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

Eu Busco o Melhor Através De...



Autor do Texto e Seleção de Imagem: Sávio Batista


BEM, à convite da Ilustre Srta Jeito Lunático, é com muita honra que venho aqui tentar passar alguma mensagem, algum pensamento dos muitos que tenho. Às vezes passo por situações que se repetem várias vezes, e que, em uma certa repetição, me veio uma luz e pensei, mude sua atitude, o que vou falar não é uma história específica, mas, todos um dia já passaram por isso. 

O que é uma atitude? Existem vários sinônimos para esta palavra como: jeito, modo, maneira, estilo, costume... Pra mim é muito mais que isso. Atitudes vão além das palavras e são mais do que ações. Você já deve ter passado por certas situações em que você pensa: "Olha eu aqui de novo, passando por isso de novo..." 

O ponto onde quero chegar é: Olhe ao seu redor, olhe seu comportamento, você é feliz com as atitudes que toma? Sempre cito a seguinte frase “Tudo pode melhorar” e já li em algum status que se você quer mudar, comece pelas suas atitudes, às vezes não precisamos mudar apenas melhorar... 

Às vezes entro em contradição quando sei o que fazer, mas faço o contrário do que seria o certo, mas o que é o certo? Às vezes o que falo não faz muito sentido para os outros, mas pra mim tudo tem um sentido... Deve ser esse meu “Jeito Lunático” (momento trocadilho). 

Eu busco o que há de melhor em mim, tento buscar o que há de melhor nos outros que estão ao meu redor, e que eu sinto que se importam comigo, o que são POUQUISSIMOS. 

E o que é melhor? São as atitudes! Se você não é tão feliz quanto gostaria, comece melhorando suas atitudes! É essa a mensagem que quero passar, embora às vezes, eu mesmo não faça isso, e eu já entrando em contradição de novo.

Esse texto faz parte das minhas reflexões, de minha conversa comigo mesmo.
Pra finalizar, deixo a pergunta, pra complicar ainda mais: COMO VC BUSCA O SEU MELHOR? 

Eu ainda não cheguei à uma conclusão. 


 Meu amigo Sávio Batista, 
Leitor e seguidor deste Blog, hoje você está aqui como autor e não deixou a desejar. 
Obrigada por ter aceito o convite, sua postagem ficou linda! 
Obrigada. Mesmo!

sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

Não Existe a Hora Certa de Partir

Preciso ir embora, eu sei. Não simplesmente fugir. Preciso da liberdade, da sinceridade espontânea nos nossos sorrisos que só querem viajar: sem lar, sem comida, sem porquê – carregando uma lembrança que ora chamamos de amor, ora de dor. Sim, estou errando. Errando como nunca pude acertar antes, acredito. Não acredito em cartomantes, ciganos, astrologia, nem destino, não é nada disso. Esse zum zum zum no nosso ouvido e esse tum tum tum no nosso coração é só o medo de ir embora, não é nenhuma profecia de que as coisas vão dar certo ou errado.

Tenho vivido de uma paciência que nunca tive, acreditando no sentido fiel da palavra de verdade. Acho que é porque ouço o Vento soprando e o Tempo passando rápido demais, sentindo que uma hora ou outra eles levam a gente sem a necessidade de se encontrar, aí então sem pressa de um dia ter que voltar. O que me doeu mesmo foi ver que uma coisa tão pequena se fez parte decisiva para ir transformando aos poucos aquela coisa enorme, que de tão grande a gente nem chamava mais de amor, que de tão grande ocupou tudo a nossa volta, e me deixou completamente vazia no final de todas as contas.

O que eu sinto neste momento não é a espera de um futuro melhor nem a ilusão de o tempo levar tudo embora. Eu simplesmente guardo uma boa lembrança de você e respiro uma vontade saudável de cuidar melhor de mim mesmo. Aprendi que a vida é uma pancadaria injusta, mas meio malandra e mágica também: sempre há como tirar uma carta da manga, mesmo perdendo o jogo. Não vou chorar nem nada desta vez. Eu tenho que ir agora. Não, não dá. Sério. Tudo bem.

[Autor: Lucas Simões]

[Fragmentos do texto Não Existe a Hora Certa de Partir, Outro Modo e Às Vezes Nunca]