A Lunática

Minha foto
Belém, Pará, Brazil
Nutricionista. Canta por aí. Escreve sobre o que vë, ouve e imagina. Ela é aquariana, rapaz uma eterna colecionadoras de momentos e de pessoas. Inconstante e com uma personalidade gigante assim como o mar. A diferença é que ela vai, mas não volta.

segunda-feira, 27 de março de 2017

Uma Homenagem de Todas Nós






Uma homenagem de todas nós: Maria Lúcia, Clarisse, Leila, Mônica, Fátima, Natália, Mariane... Raiane e Dheysse.

Me apaixonei por ele muito cedo, foi amor à primeira vista, tempos de escola. Um amigo nos apresentou, me recordo como se fosse hoje. Aos poucos fomos nos aproximando e tudo o que ele dizia parecia fazer tanto sentido, eu como toda adolescente revoltada não tinha uma boa relação familiar e ele sempre me dizia que eu também não entendia meus pais, afinal eles eram apenas crianças como eu. Pela primeira vez comecei a perceber que eles tivessem razão. 

Comecei a compreender naquele momento o porquê nunca gostei de ouvir as músicas que minhas amigas adoravam e que pra mim não representavam nada. Eu estava esperando por ele, meu primeiro amor. Tudo começou a fazer sentido, uma explosão de sentimentos que estavam surgindo e eu nunca entendia nada. Era choro, era alegria, era saudade, era desilusão. Tudo na vida de um adolescente ganha proporções planetares e na minha então, que sempre fui muito emotiva, parecia o final dos tempos, sempre querendo provar pra todo mundo que eu não precisava provar nada pra ninguém, mas ele estava lá. Tinha uma canção pra cada momento, as letras me entendiam e sua música tocava minha alma. Após uma noite de choro e lamentações, no dia seguinte, quando o sol batia na janela do meu quarto eu então estava bem, pronta pra recomeçar. 

Fui crescendo e amadurecendo e ele sempre presente. Ele me ensinou que todos temos nosso próprio tempo. Alguns falam que é exagero, porém são 16 anos de um amor incondicional, sem cobranças, sem culpas, sem arrependimentos. Anos de aprendizado. Quem me conhece sabe o tanto que amo música, o tanto que é libertador para mim e tenho plena certeza que minha vida não seria a mesma se eu não tivesse conhecido Renato Russo e apesar de não ter conseguido meu equilíbrio - pois insisto em cortejar a insanidade - parte do que sou hoje eu devo a ele, és parte ainda do que me faz forte. Só quero dizer muito obrigada por tudo que me ensinou. EU TE AMO e essa é minha singela homenagem. Parabéns onde quer que você esteja.

Strawberry fields forever...

... E realmente a tempestade é da cor dos teus olhos castanhos.

Texto escrito por Raiane Gomes