A Lunática

Minha foto
Belém, Pará, Brazil
Nutricionista. Canta por aí. Escreve sobre o que vë, ouve e imagina. Ela é aquariana, rapaz uma eterna colecionadoras de momentos e de pessoas. Inconstante e com uma personalidade gigante assim como o mar. A diferença é que ela vai, mas não volta.

domingo, 4 de agosto de 2013

Caso Indefinido

Eu seriamente disse e vi você ir embora com seu típico "Tudo Bem".
Mas você apesar das minhas insolências, voltou.


Eu sempre fico meio bamba quando tento entender você. Às vezes é simples. Até pra mim, sabe? Não exijo nada, mas conscientemente desejo você no meio das minhas coisas, da minha vida, espalhado por todos os lugares até que isso possa não dar certo. Você pode vir, ir, vir, ir... Eu espero pra sorrir contigo e lembrar que já se passou um ano desde que você atravessou aquela porta e me estendeu a mão. 

Cada vez que te vejo é diferente, dessa vez além de apenas ver, surpreendentemente pude sentir, cada toque acalmou meu coração, acalmou a ansiedade, então tudo estava em paz. Foi a primeira vez que definitivamente entramos em sintonia. Você me presenteou com a órbita e permaneci lá nos dois dias seguintes, mas a vida ou você precisava mostrar a realidade dos fatos ou a verdade qualquer que cerca nosso contato restrito. A magia nos deixou?

Como pode alguém dar a felicidade perfeita e depois a tristeza? Como pode alguém  dar a atenção e a compreensão e depois a indiferença indesculpável? Você pôde. Você sabe o que quer, não possui timidez e nenhuma palavra cortante parece atingir esse seu ego. Você simplesmente não tem medo de voltar. Como pode alguém sentir orgulho do prazer e depois vergonha? Como pode alguém sentir que é tão importante e única e depois apenas mais uma? Eu pude. Mentalmente decidi minha renúncia e dei permissão pra sentir dor.

Somos marcados, eu bem sei. Não estou pronta pra curar a dor de ninguém, não suporto conviver nem com as fotos e minhas lembranças, como posso ser um alicerce? Esse medo fixa minhas ações no chão. Preciso dos outros constantemente, talvez quase sempre pra conseguir mover meus pés em sua direção.  Teríamos que ser apenas presente, quem sabe assim conseguíssemos, mas quem somos afinal sem o passado? Cada olhar seu no terceiro dia me destruiu. Você se foi mais uma vez.

E eu não estou pronta pra pedir que fique. Em um ano nunca fomos tão longe, talvez esse tenha sido o nosso fim. Tenho que reconhecer, foi um fim digno: Amar você por uma única noite foi tudo que consegui fazer por nós dois. Já não me resta forças pra lutar por quem não consegue se doar na mesma medida. É inútil desejar qualquer coisa que seja com você.