A Lunática

Minha foto
Belém, Pará, Brazil
Nutricionista. Canta por aí. Escreve sobre o que vë, ouve e imagina. Ela é aquariana, rapaz uma eterna colecionadoras de momentos e de pessoas. Inconstante e com uma personalidade gigante assim como o mar. A diferença é que ela vai, mas não volta.

quinta-feira, 28 de novembro de 2013

Outra Vez



Me diz que fica? 
Pede as passagens, conta nos dedos as horas e os dias, se finge de descuidado, olha pro nada, calcula o tempo, imagina cenas. Ele é tão imprevisível, nunca deixa passos, vende sonhos dia após dia, quando vem, sabe como chegar, conta histórias, inventa o mundo e rabisca todo o futuro que não pode dá. Quando a estrada do dia seguinte chama estou lá pedindo carona outra vez pra sua vida. Me disfarço de incerta, abro um sorriso, penso em falar, mas ele pede silêncio e diz que se eu fechar os olhos e contar até três ele ainda estará parado na minha frente com todos os defeitos e as marcas de verão que adquiriu sem mim.
Mesmo com todos os erros, acertos e o amanhã que não me pertence gosto da nossa cumplicidade. É deitada ao seu lado que atenta ouço seus segredos e as histórias de amores passados, sem pressa, acho graça quando ele pisca pra mim e diz "eu não te conhecia". Distraída pelas horas quando penso que ainda tenho uma noite inteira em sua companhia, ele arruma os cabelos me beija na testa e diz se cuida - Se cuida só é dito pra quem queremos cuidar e não podemos. Dou um sorriso bobo porque sei que quando tenho algo importante pra falar, uma conquista pra contar ou uma lágrima pra esconder é pra ele que volto no tempo. Me pede que não seja especial pra mais ninguém, me pede fitando o horizonte que não fale do carinha que conheci e que me arrancou suspiros na noite passada. Conheço cada expressão no rosto dele, então sento no seu colo e sussurro que é por ele que sempre vou esperar. 
Tem dias que discute e me pede pra ir embora, sento na escada e ele permanece em pé na porta, digo que não volto, ele diz que posso ir. Quando desço o degrau seguinte ele me puxa pelo braço e ameaça cantar Roberto Carlos pro prédio inteiro ouvir. É aí quando me sinto mais feliz. É após nossas discussões que lembro o quanto sou apaixonada por ele. Não suportaria a dor de perdê-lo. Não há mais dedos para contar, é inadiável, ele sorri e eu entristeço. O imprevisível possui data pra abrir a porta, penso em seguir seus passos, mas que passos? Fico com o presente e as lembranças do passado. Ele sussurra a música Outra Vez usando Roberto Carlos covardemente na tentativa de me fazer sorrir também. Nós nos abraçamos e ficamos em silêncio. Eu me seguro em seus braços como se minha vida dependesse disso. 
- Me diz que fica ?
- Eu sempre vou voltar pra você. Se cuida.