A Lunática

Minha foto
Belém, Pará, Brazil
Nutricionista. Canta por aí. Escreve sobre o que vë, ouve e imagina. Ela é aquariana, rapaz uma eterna colecionadoras de momentos e de pessoas. Inconstante e com uma personalidade gigante assim como o mar. A diferença é que ela vai, mas não volta.

sábado, 12 de novembro de 2016

Faz Parte do Meu Show



Não fico pro café da manhã, na maioria das vezes junto do chão meus desejos, guardo na bolsa os pertences e saio sem anotar o número do telefone. Levo os sapatos nas mãos, arrumo os cabelos e deixo pra trás mais um cara sem nome com a certeza de que foi inesquecível. Mas nunca é. Eles nunca são. São apenas rostos bonitos que dependem da quantidade de vodca que me sirvo. Deles não memorizo endereço. Pra eles não tenho nenhuma pretensão de voltar e não faço questão de ser procurada no dia seguinte. Me animo em ser esquecida e se tiver sorte prefiro nem ser lembrada. Não se assuste se lhe disser que me divirto ao ver aqueles garotos investirem seu tempo com aquele papo barato que já conheço de cor, dou um sorriso fingindo estar me enganando e digo o que eles querem ouvir.

Certos homens possuem tanta confiança em ser irresistíveis que esquecem que mulheres inteligentes podem enganar com palavras tanto quanto eles. Afinal, o tempo e as experiências ensinam bem como devemos mentir sobre o que sentimos e sobre o que não sentimos. E promessas todos nós podemos fazer sem termos realmente a intenção de cumpri-las. Há uma sensação perversa e gostosa quando se aprende a iludir. Não é assim que se segue em frente depois de ter sido quebrada?  Depois de um tempo em inércia estamos prontas pra testar o beijo, testar o papo, testar o gosto até sentir que algo vale a pena. Mas nunca valem. E todas essas noites não conseguem proporcionar a qualidade do que já vivi e conheço bem. Esses encontros são tão superficiais, insuficientes e com tão pouco a oferecer. Engatar uma conversa bacana tem sido cada vez mais difícil. É como se eu estivesse procurando o que sei onde encontrar, no entanto, não posso mais pedir que fique. E não posso mais me sentir presa em um só lugar. 

Não há um manual de instruções sobre como se reconstrói um coração. Cada ser humano é responsável por descobrir o próprio jeito de lhe dar com seu inverno/inferno particular. Alguns choram, outros acham que a solução está no fundo do copo de qualquer bebida que o dinheiro consegue pagar. Tem gente que faz brigadeiro ou compra sorvete. Tem gente que assume uma nova relação na noite seguinte, esses são os mais inteligentes ou os mais burros, vai saber. Eu? Me arrumo, escolho o melhor salto e saio do meu aquário em close pra me divertir sozinha. Não sinto falta, não sinto solidão, não sinto tristeza, nessas horas o melhor é não sentir nada. Da minha vida não falo, há segredos que nem o travesseiro seria capaz de entender. O fato é que não conheço inocentes, mas não importa muito quando a diversão só acontece no meio dos culpados. E geralmente todos guardam alguma culpa.