A Lunática

Minha foto
Belém, Pará, Brazil
Nutricionista. Canta por aí. Escreve sobre o que vë, ouve e imagina. Ela é aquariana, rapaz uma eterna colecionadoras de momentos e de pessoas. Inconstante e com uma personalidade gigante assim como o mar. A diferença é que ela vai, mas não volta.

sábado, 10 de setembro de 2016

Um Dia




Quatro meses. Tempo mais que suficiente de inconsciente espera. As setes chaves que abriam aquela caixa bonita estavam divididas, metade comigo, metade com você. Apenas nós sabíamos sobre o nada nela contido e sobre como a metafisica explicava o porque do nosso "nada" ser tão intenso, brilhante e especial. As energias que se atraem, acaso ou mesmo o destino fizeram acontecer. Na correria de dias cansativos você me reencontrou e acredite: Reencontros de olhares podem ser mais fortes que qualquer palavra dita, mas é preciso um nível elevado de cumplicidade, o que estranhamente a gente tem. 

Nada além de nós. Ninguém além do nosso segredo. Nenhum olhar atento na nossa vontade. É fácil fugir quando o mundo não tem conhecimento do que acontece, é simples dizer sim quando se sabe que só sentimentos bons e recíprocos podem ser completamente vividos. Eu já não consigo imaginar uma vida sem esses momentos mágicos de tirar o fôlego. Ser queimada pelo prazer intenso é a sensação de experimentar algo que não pode ser comparado. Isso é o suficiente pra nos manter conectados na distância e no silêncio. 

Não se pode ir contra quando viver o êxtase é tudo que se quer.  Vício de pele é se jogar sem medo em beijos longos de saudade, um egoísmo denso de pertencer sem medo a quem sabe o valor de fechar os olhos e apenas sentir o tudo: O seu perfume espalhado no meu corpo, o seu cabelo molhado puxado pra mais perto pelas minhas mãos, as mesmas mãos que com urgência seguravam você tão forte imaginando como seria se eu jamais tivesse que soltar.  Pensei em infinidades de possibilidades enquanto atentamente e calada ouvia sua voz - Eu sempre gostei do seu timbre de voz. Havia tanto pra te dizer, mas silenciei. Aprendi que quando há muito a falar o melhor é optar pelo silêncio. Ser racional é nunca deixar se perder. E dos seus braços foi muito difícil sair sem olhar pra trás. 

Juntei o cansaço e felicidade do fim das 16 horas e me sentei em um bar. Pedi cerveja pra me acompanhar enquanto ouvia aquela canção e pensava nessa semana. Você veio novamente como sol que ilumina e aquece.  Se tornou a minha pessoa rara e dono da saudade mais bonita. Me presenteou com aquele elogio singular "Sua inteligência me atrai" - vou lembrar constantemente disso. Na minha intuição esse foi nosso último reencontro, mas a você dou a certeza de que o  nosso nada ficará intacto na caixa a sete chaves que eu guardo mais uma vez.

Os amigos que chegavam perguntavam o que eu fazia ali bebendo sozinha?
... Sorri tão feliz, mas tão feliz. 
- Comemorando a Perfeição de Um Dia. 



Nenhum comentário:

Postar um comentário

O Blog Jeito Lunático agradece seu comentário!