A Lunática

Minha foto
Belém, Pará, Brazil
Nutricionista. Canta por aí. Escreve sobre o que vë, ouve e imagina. Ela é aquariana, rapaz uma eterna colecionadoras de momentos e de pessoas. Inconstante e com uma personalidade gigante assim como o mar. A diferença é que ela vai, mas não volta.

terça-feira, 12 de abril de 2016

Não Deu Tempo De Nada

Ele entrou e eu estava ali 
Ou será que fui eu que ali entrei 
Sem sequer pedir a menor licença?
 Ele me olhou bem 
Quem sabe com ele eu teria achado o que sempre me faltava
 Cores, colagens, sons, emoção!


Foi naquele rápido e último abraço que o ar me faltou. Se algo podia ser dito, não foi. Quando calculei nos dedos o tempo acabou. A impressão que tive foi que a contagem regressiva do tempo começou no primeiro dia em que o revi. Cada segundo uma chance. Chance de dizer que pensei mais naquele sorriso do que em minhas preocupações. Guardei pra mim a sensação de encanto embora cada parte de mim desejasse conhecê-lo além da atração inevitável. Nessas oscilações de dias bons e ruins vê-lo ali tornava as horas bem mais acolhedoras. 

Se há algo em alguém que pode torná-lo interessante é ter o dom de ser surpreendente e mais ainda, ter a artimanha de despertar curiosidade. Ele soube me ler mais do que eu mesma me permito admitir em dias de solidão. E se não existem erros nessa vida e sim escolhas, a minha decisão já havia sido tomada antes mesmo que a pergunta fosse feita. Sim para o desejo, o instinto, a atração, a vontade, o interesse, a sinceridade. Quando as perguntas acabaram tudo o que queria saber naquele silêncio de cumplicidade era o gosto que teria a sensação de pertencê-lo. Não pensei mais em consequências. Nem no amanhã. Você jamais conseguirá usar a razão quando o tempo não estiver a favor. Cada parte de mim foi desperta pela intensidade do beijo. E o sabor não poderia ser mais inebriante. Gravei em meus dedos a sensação da pele, dos cabelos molhados, do rosto dele em minhas mãos. Envolvida no carinho daqueles braços só queria que o tempo parasse. Ali não havia medo, arrependimento ou indecisão. Ao contrário, a segurança e a confiança estavam em completa harmonia. Nossas formas diferentes de direcionar a tríade sentir, pensar e agir encontraram o equilíbrio perfeito. Senti vida em poucas horas. Uma felicidade tão leve e despreocupante. Nada além de nós. Éramos metades de desencontros sendo inteiros por um espaço curto de tempo. Tempo que corre contra. Mas que deixou na minha blusa o cheiro de um perfume que embora quase disperso ainda me faz sorrir distraidamente.

Se um presente bem bonito pudesse ser me dado que fosse mais tempo pra ver, tocar e sentir. O tempo foi insuficiente pra desvendar os segredos daqueles lindos olhos serenos, profundos e calmos que me fizeram na alma um bem inexplicável. Ele sem saber me fez parar pra redirecionar os planos, pra reconstruir objetivos, pra refazer minha visão diante do que não conseguia deixar ir. Me fez pensar sobre minhas vontades, sobre as conseqüências de se dizer a verdade, sobre o equilíbrio em silenciar. Se perguntarem se acredito em destino, acaso, coincidências? Tempos atrás eu diria sim. Mas hoje, creio no seguinte: Nós decidimos o futuro através de nossas escolhas. Para algo acontecer você precisa dizer sim. E isso não é destino. É escolha. Eu escolho deixar a saudade passear por aqui. Saudade saudável. Saudade bonita. Doce. A memória humana é fraca - sei disso melhor que ninguém - mas fiz questão de guardar o som da voz com todo aquele sotaque. Fiz questão de guardar uma foto pra não me deixar esquecer o sorriso e o olhar que tanto me iluminaram esses dias. 

Sim, o relógio virou o ponteiro e o ciclo fechou. Foi naquele rápido e último abraço que o ar me faltou. Não deu tempo de nada. Se houvesse mais alguns segundos eu teria feito meu último pedido impossível. 

 - Fica só um pouco mais.
   Pra dizer que você é incrivelmente incomum. Pra agradecer a segurança que encontrou em mim pra dividir quem você é. Pra dizer que sorte são os que tem na vida esses instantes de loucura e felicidade. Pra te confidenciar que guardei a sete chaves uma caixa bem bonita. Alguém especial me disse que um tesouro como esse não pode ser roubado por ninguém. E eu completo dizendo... Nem roubado. Nem encontrado. Nem vivido. É único e raro.