A Lunática

Minha foto
Belém, Pará, Brazil
Nutricionista. Canta por aí. Escreve sobre o que vë, ouve e imagina. Ela é aquariana, rapaz uma eterna colecionadoras de momentos e de pessoas. Inconstante e com uma personalidade gigante assim como o mar. A diferença é que ela vai, mas não volta.

sexta-feira, 9 de dezembro de 2016

A Dose de Amor que Preciso





- Então me diga, em que posso servi-la? 

- É simples, uma dose pura de amor, do mais ardente que cê tiver por aí, aquele que queima por dentro, sabe? Que devasta tudo? Ando precisando de uma sacudida, de um amor que me revire, me renove, me [re]ensine o gosto da loucura que é desejar alguém novamente. Não se acanhe não moço, pode servir, quente por favor, o gelo pesa, o frio não faz efeito e eu preciso vivenciar essa dose descendo pela garganta. 

Destilar o sangue em algo forte me permite sentir coragem correndo nas veias. Há uma hora eu nem sequer sentia nada, que dirá coragem pra dar o fora de tamanha prisão mental. Hey moço, não me olha assim, não me julgue injustamente, sei bem do que tô falando. Me custou um esforço imenso calçar essas botas pretas, chamar um táxi e vir até aqui. Me custou engolir os conselhos de quem nem me conhece, me custou entender quem era aquela mulher refletida no espelho envaidecida ao passar batom vermelho. Inutilmente demorei tempo demais querendo viver conto de fadas. Contos de fadas são só imaginação moço e a ambição pelo amor eterno já se foi e o que restou é isso aqui, consegue ver? Essa sou eu, eu e toda minha força de vontade em [re]começar. 

Por essas razões que te peço moço, avise a quem vier que entre pela porta da frente, a entrada é franca, mas advirta que não venha pra ficar, não há morada aqui, não há planos, nem sequer lugar. Nesse momento eu não acato ordens, nem desejo ser contrariada, culpas não existem, nem boas intenções. Só há pressa em ser feliz. Pressa de viver. Meu tempo é pouco moço, as horas são contadas, cada segundo meu vale uma vida inteira, por isso se ele insistir em pagar minha bebida, deixe rolar. Se o universo conspira eu não tenho porque esperar, certo? Eu quero sentir e quero já. Agora, sem pensar, sem ficar pra depois. Eu quero sorrir, cantar alto, discutir afinidades astrais e brindar ao destino. 

Quem disse que a junção de dois corpos em uma noite não pode ser amor? E se ele for amostra grátis da dose pura inicial? Que seja moço! Pode servir. Esse amor que amanhã sumirá no espaço foi exatamente o que pedi.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

O Blog Jeito Lunático agradece seu comentário!