A Lunática

Minha foto
Belém, Pará, Brazil
Nutricionista. Canta por aí. Escreve sobre o que vë, ouve e imagina. Ela é aquariana, rapaz uma eterna colecionadoras de momentos e de pessoas. Inconstante e com uma personalidade gigante assim como o mar. A diferença é que ela vai, mas não volta.

segunda-feira, 30 de junho de 2014

De Volta pro Futuro

"O amor só dói pra quem não volta atrás"


32 horas atrás.

Dia desses. Corridos. Eu escolhi voltar pra ele. Sabe como é um amor desses loucos e sem censura?  O difícil será fazê-lo compreender que amores de verdade não acabam na primeira briga, que pra quem ama a distância não é a melhor opção e que virar o rosto ao me encontrar na rua era o máximo que eu conseguia suportar. Antes de sermos um amor, éramos amigos, demorei tanto pra bater na porta daquele coração e pedir pra ficar que deixá-lo ir por algo que podíamos modificar, concertar, dar um jeito, pesou bem mais na hora em que eu poderia ser orgulhosa, desastrada e impetuosa.

Não quero ficar só e ser enlouquecida pela solidão, com o coração em pedaços e espirito inquebrável descobri que amor só acaba quando não há mais nada a fazer. E este não é o caso. Por nós, ainda tenho muito pelo que lutar. Brincar de teatro com encenações baratas de indiferença era contradizer tudo o que conhecemos um do outro. Deixamos de ser quem somos pra medir forças em busca de quem seria considerado o mais racional da relação, a conclusão certa: Nenhum de nós. Então, preferi quebrar o gelo, olhar pra nós mesmo com medo de ser rejeitada, escolhi não jogar nossas fotos no chão e sim juntar do chão todas as fotos que nós espalhamos durante nossa briga maluca com lágrimas silenciosas.

Imensamente julgada pelos meus amigos, família e até desconhecidos, escolhi voltar, ir atrás da felicidade que acredito, de mais uma chance, dos braços fortes aos quais tanto já confiei minha fragilidade. Vou e farei o que tenho que fazer, porque minha alegria, consolo, sorrisos estão com ele. Desenhar meu recomeço seria exigir muito de mim, pedir pra ele não ir, igualmente. Desperdiçar tempo aceitando recomeços estava fora de questão. E, acima de todas essas razões, sempre tive fé no sentimento dele por mim. Ele é minha única certeza.

Recolhi todos esses e outros motivos, vesti o melhor vestido, arrumei os cabelos, respirei fundo, destranquei a porta e pra minha inteira surpresa, eu o vi sentado na escada, segurando tulipas, as mesmas razões, suas malas, toda a minha felicidade e uma placa com a frase telepática "Volta pra Mim".

Fechei os olhos, corri em sua direção e o abraçei, dessa vez pra nunca, nunca mais soltar.