A Lunática

Minha foto
Belém, Pará, Brazil
Nutricionista. Canta por aí. Escreve sobre o que vë, ouve e imagina. Ela é aquariana, rapaz uma eterna colecionadoras de momentos e de pessoas. Inconstante e com uma personalidade gigante assim como o mar. A diferença é que ela vai, mas não volta.

quinta-feira, 25 de maio de 2017

Senhorita


Me leva, me coloca em teu sonhos, me transforma em realidade. Abre essa porta e me entrega as chaves. Volta pra mostrar o caminho do qual saí, do qual me perdi, o qual preciso trilhar. Ao seu lado. Com você. O sol meio que escureceu com toda essa ausência, o espaço que pensei precisar só serviu pra ouvir o eco dos meus próprios pensamentos. Nem o café esquentou o frio do lado de cá, nem aquele chá de sabor agridoce foi capaz de animar os dias. Vi através da janela a esperança tardia de estar nas tuas lembranças. Como posso pedir pra me deixar entrar quando partir foi decisão minha? Parte de mim pensava ser completo, mas como alguém pode ser completo quando se é metade? Eu sinto sua falta senhorita e mesmo que ouse duvidar permaneço aqui. Crio raízes apesar de tudo ao redor ser insossego. Não é segredo que quero ficar.

Pressa de vir confessar erros, falhas e arrependimentos. Calma pra esperar o tempo necessário que alcance seu perdão. Permaneço no limite, mas não me assusto com a lei que diz que o amor pode ferir, se há força na dor encontro coragem pra ser cura. Minha e sua. Abraça meu corpo e se aninha em meu peito, afago teus cabelos e me permito finalmente estar em casa. O abrigo do qual não esqueço e o único onde aprendi a me sentir vivo. Vi por detrás do espelho o rosto cansado da desistência e das incertezas. Insuficientes foram os motivos do temporal que causei por medo de pertencer. Mas seria eu feliz se o único lugar onde eu pertenço é com você? Eu sinto saudades senhorita, da tua distração, da tua voz afinada sem saber dedilhar no violão. Não vou a lugar algum sem fazer de você minha serena companheira. Minha melhor companhia.

Outra chance. Pra mim. Pra gente. Se sou o cara errado, assumo. Se sou construído de defeitos, concordo. Entretanto, se há uma única possibilidade de arriscar, se joga. Mais uma vez. Sem promessas. Sem clichês. Sem ansiedade. Me mantenho perto e espero. Sei que me atrasei e peço desculpas, foram necessários estreitos passos pra trás pra finalmente ter o impulso necessário para saltar nessa escolha que é amar. E se todo o amor que nos envolveu é o que você ainda sente, não desiste. Insiste. Me aceita, me devolve a sua crença, sua confiança. Eu ofereço minha mão. Segura. Se esse é o nosso tempo certo, não te solto nunca mais. Pra você estarei presente. Serei o cuidado. Serei a tranquilidade. Você, senhorita vou amar. Se a chance não vier. Continuarei a cuidar. Em segredo. Em silêncio. Mas se o sim for sua decisão aqui permaneço em perfeita entrega. Com suas chaves no bolso e a eterna felicidade dos dias que vou te dar.