A Lunática

Minha foto
Belém, Pará, Brazil
Nutricionista. Canta por aí. Escreve sobre o que vë, ouve e imagina. Ela é aquariana, rapaz uma eterna colecionadoras de momentos e de pessoas. Inconstante e com uma personalidade gigante assim como o mar. A diferença é que ela vai, mas não volta.

domingo, 29 de maio de 2016

Vem De Uma Vez

"Mas é uma má dívida, morte certa 
Mas eu quero o que eu quero e eu tenho que conseguir..."



Tô esperando a tua decisão sem arrependimento, tua coragem pra vir, tua vontade pra começar, tua iniciativa em tentar, tua resposta pra avançar. O que te causa medo? É a porta escancarada? É essa facilidade de entrar sem fazer perguntas sobre as tuas intenções? Não se retraia meu bem, não ambiciono castelos, cavalos brancos ou príncipes encantados, a finalidade de um encontro nem toda vez é o pra sempre, existe o agora e esse tem sido o objetivo, então não pense, não sinta, não se apegue a preocupações dispensáveis. 

O que te impede? O receio de cometer erros? De arriscar? Chega de reflexões, vem viver, nunca desejei ser o certo pra você. O que parece ser engano não é. Vem, audácia você tem, eu sei, vejo nos seus olhos o desejo tão desperto quanto o meu. Admita que não consegue fugir, sussurra que embora você tente racionalizar a vontade do corpo fala mais alto. Não tem como se defender. Mais cedo ou mais tarde você vai perder, vai ceder, vai se render ao errado, ao veneno e vai pedir por mais e não há previsões para o depois, é desnecessário fazer do agora uma lembrança eterna, motivo número um pra aproveitar cada segundo do teu toque em minha pele. Esquece os achismos, perca o juízo, o tempo é teu, mas só peço que apresse os passos, fantasias se desfazem e dos sonhos todos acordam um dia, se você quer vir, tô esperando, vem sem planos, sem negações, sem interrogações. 

Vem solto do que lhe prende lá fora, aqui existiremos nós dois em uma madrugada inteira pra ser ou fingir. Você escolhe, eu te acompanho. Você desiste, eu te solto. Se ficar a gente troca o destino e um beijo longo. Cê topa desconhecer a saudade e fazer planos impossíveis no dia seguinte? A gente se desencontra e se reencontra sem hora marcada, se fizer sol, lua ou chuva te empresto abrigo e um abraço sem apertar os laços. Decifrar a epiderme é um jogo de sedução perigoso, se a afinidade for evidente melhor se render de uma vez. Volto a repetir: “De amor se foge, de paixão também, mas de pele nunca meu bem”.