A Lunática

Minha foto
Belém, Pará, Brazil
Nutricionista. Canta por aí. Escreve sobre o que vë, ouve e imagina. Ela é aquariana, rapaz uma eterna colecionadoras de momentos e de pessoas. Inconstante e com uma personalidade gigante assim como o mar. A diferença é que ela vai, mas não volta.

quinta-feira, 13 de julho de 2017

Comédia Romântica


Ei moço cê tá vendo a dificuldade de desatar o nó? Esse emaranhado de meia conversa de quem sabe que tem cartas suficientes pra jogar até que meus pontinhos de confiança sejam reduzido a zero. Po-pa-rá. Eu já dei a bendita voltinha mágica no carrossel e não foi nada divertido. Além do que, veja só, tô quebrando a cara uma segunda vez, acreditando nesses convites sem pé nem cabeça onde eu deposito vida e esperança pra ver se qualquer hora eles se realizam. Você só aparece com esse interesse bonitinho quando quer alimentar o próprio ego ainda que tua turma de amigos adorem defender você como o mó cara legal, aquele que não precisa se esforçar pra ser engraçado, divertido e charmoso. Fique sabendo, você nem é tudo isso. Droga. Você é. Eles tem razão. Você é o típico carinha encantador, com esse sorriso, esse maldito sorriso que você carrega e esbanja por aí. Onde é mesmo que eu tava com a cabeça quando fui enfeitiçada?

Não lembro. Odiosamente não lembro do momento "impriting" platônico. Platônico uma ova porque você se jogou e jogou em cima de mim todos esses seus dons admiráveis, esse jeitinho torto de puxar conversa, se exibindo com essa guitarra e essa voz. Não, não basta ser tudo o que uma garota quer, de brinde ainda por cima é rockstar e dono de um timbre rouco, sexy e gostoso. A voz. Assim é fácil se impregnar na mente dos outros. Outras. Abençoada seja a oportunidade que nunca tive de encarar você. Em você tudo parece ser tão verdadeiro. Falso. Quis dizer falso. Porque isso não passa de invenção. Minha melhor invenção. Mesmo assim uma invenção. Essa coisa toda, essa atmosfera cor de rosa - odeio rosa - essa emoçãozinha barata que você causa quando você se faz presente. E depois ausente. Toma chá de sumiço e eu só me dou conta no sétimo dia de silêncio. Mania chata de ser sempre a última a saber que eu não preciso de você.

Porque desse lado meu braço se recusa a torcer. Se você me da gelo eu brinco na neve. Ignoro minha intuição. Faço gesto de silêncio pro coração com uma ameaça covarde de vendê-lo pro lado negro da força caso ele queira comandar a coisa por aqui. Deixo a razão ser a dona da porra toda e que se dane o fim da sua tentativa secundária em um único ano. Se der na telha de vir, já vou avisando, não vem, da meia volta, metades combinam bem com esse meio papo que nunca termina. O desencontro já passou da hora e pra sua informação seu filme tá bem queimado. Desacreditado. E por ordem minha totalmente censurado. Viu? Então não vem, se vier eu chamo a polícia, meu telefone apaga da tua lista. Contato comigo nem por intermédio de um ovni. Ets amigos só os que te abduzirem pra outro planeta. Já vai tarde. Se isso não funcionar aproveita pra tomar o sumiço como chá.  Entre te esperar e ver você me perder. Já foi, valeu. Nunca vi de paixão alguém morrer, então eu prefiro chamar um uber, aproveitar a noitada e beber.