A Lunática

Minha foto
Belém, Pará, Brazil
Nutricionista. Canta por aí. Escreve sobre o que vë, ouve e imagina. Ela é aquariana, rapaz uma eterna colecionadoras de momentos e de pessoas. Inconstante e com uma personalidade gigante assim como o mar. A diferença é que ela vai, mas não volta.

quinta-feira, 17 de outubro de 2013

Separação

Por que a vida fez isso pra sempre com nós dois?
Encontros, destinos sem razão
E os finais felizes vem e vão...
| Quando Acabou - Quimica |




- Já pegou as chaves? 
E eu digo pra mim mesma que esse é o certo a fazer, apago as luzes, sei que hoje o lugar tão caloroso que me acolhia em dias de inverno só ficará cada vez mais frio. Nosso relacionamento tão leve se encheu de indiferença, desamor e discussões.

- Peguei.
Ela precisa de tempo, de mais tempo. E não importa qualquer coisa que eu diga, ela está decidida. Não há lágrimas, não há vestígios de que essa vez será só mais uma vez. Ela só precisa de tempo. As horas que eu pedi por um jantar, as horas que a convidei pra um cinema, as horas a chamava pra comemorar nosso terceiro ano de namoro. E ela sempre ocupada com o trabalho e os estudos.

- Posso mandar amanhã o que você deixar aqui?
Por que ele não fala nada? Fica andando de um lado pro outro arrumando as malas aceitando o fim. Antes todas as nossas brigas de casal terminavam com nossos sorrisos sabendo o quanto éramos bobos. Ainda lembro do dia que o conheci, um boa tarde seguido de um prazer em conhecê-la. A partir daquele momento eu sabia que tinha encontrado o dono dos meus sonhos. 

- Não é necessário, vou levar tudo que preciso.
Me pergunto se a fiz feliz. Ela ainda me tem com seus imãs nos dedos, olhar pra ela faz sentir com que todo meu corpo fosse puxado por suas mãos, eu me seguro por sua fortaleza. Não quis chegar até aqui andando de um lado pro outro, escolhendo quais objetos não levar pra não ter que lembrar a felicidades dos dias guardados por toda a parte.

- Quando sair pode fechar a porta?
Eu sinto minha vida saindo por aquela porta. Eu sinto, mas já não posso impedi-lo, ele parado olhando pra mim como se eu pudesse mudar os últimos meses insuportáveis me deixa inquieta, eu me sinto insegura, eu seguraria ele se isso fosse o que ele realmente quisesse. Mas seria apenas um adiamento do fim. Já não somos opostos que se atraem, somos iguais. Me vejo nele.

- Você faz isso. Eu só preciso ir agora.
Em silêncio olho pra ela, não há nada ali, Nenhuma emoção. Nem vida. Nada que a fizesse levantar e segurar meus braços, não precisaria me implorar pra ficar, nada disso, apenas que me desse tempo, seu tempo precioso, perdido e tão preenchido.

Apesar de tudo quando a observo paralisado do jeito que estou, com a mão segurando a porta é quando mais me vejo nela, é quando mais me sinto ali... E sei, tenho certeza. Ainda a amaria por toda uma vida. Ainda seria toda a sua felicidade. Ela me pergunta se posso fechar a porta ao sair, mas não posso. Dessa vez me recuso a encenar o nosso fim.

Dheysse Lima



Era ruim com ela, era pior sem ela. Um paradoxo que gritava decibéis tão baixos que me perfurava os tímpanos. Não tinha salvação mais, então me rendi. Porque perto dela era como se meu coração fosse penetrado por mil agulhas molhadas no álcool, mas longe dela era como se tivesse arrancando tudo, só o buraco. Longe dela eu não era mais nada.

— Jorge, 01 de Outubro